#PreguntaFreelance: Quais são os tipos de hospedagem mais recomendados?

#PreguntaFreelance: Quais são os tipos de hospedagem mais recomendados?


Uma das perguntas mais freqüentes de programadores freelancers, novatos ou mesmo pessoas que querem começar na Internet é: Onde hospedar meu aplicativo / blog / site? E é muito normal que a princípio ficamos confusos porque não sabemos o que tipos de hospedagem mais recomendadoss para a nossa necessidade particular, por isso, neste artigo, queremos esclarecer um pouco este panorama 🙂

Em geral (e sem ser especialistas no assunto) podemos falar sobre três tipos principais de hospedagem:

  1. Hospedagem Java
  2. Hospedagem Windows
  3. Hospedagem Linux

1. Hospedagem Java

Antes de começar, devemos esclarecer que o JavaScript, essa linguagem de programação que teve seu início nos anos 90, é totalmente diferente do Java Hosting, ou Java Hosting, entendendo o último como uma opção mais do que hospedagem para sites ou aplicativos que contêm código Java, preferindo-os desta forma, sobre as outras plataformas de hospedagem que oferecem apenas algum tipo de suporte para esta linguagem.

Java, como uma linguagem de programação, possui uma grande variedade de códigos abertos com os quais um grande projeto dinâmico e interativo pode ser realizado sem investir grandes quantias de dinheiro ou tempo, contando também com servidores Java dedicados da implementação de aplicativos a bibliotecas Java. .

Esses servidores Java geralmente são um pouco mais caros que os serviços de hospedagem tradicionais, no entanto, seu preço é justificado pelas diferentes funções que o Java tem disponível para o cliente.

Um exemplo claro deste tipo de hospedagem é a ANW, provedora deste serviço localizado na Espanha, que oferece, através de plataformas especializadas, o desenvolvimento de aplicativos e serviços de hospedagem Java. Esta empresa possui um software que permite ao cliente instalar e configurar em poucos passos simples seu servidor de aplicação com a opção de escolher entre Glassfish / Payara, Wildfly ou TomCat, o que faz para o cliente, a possibilidade de personalizar seu servidor de uma maneira completa.

Também inclui hospedagem com SLL, BBDD, MySQL com domínio ".com" ou ".es" de graça e uma das coisas mais importantes, suporte técnico especializado para resolver qualquer problema que o cliente possa apresentar, gerando mais confiança no tempo para adquirir os serviços oferecidos pela ANW.

Algumas vantagens e desvantagens de usar o Java Hosting

A vantagem mais notável deste serviço é talvez o que fácil de saber como lidar com este servidor e também em sua língua, desde que haja interesse em aprender sobre ele. Java, sendo uma linguagem focada em objetos, animações e dinamismo, precisa de um suporte que cubra as necessidades de um bom funcionamento da web.

Uma das desvantagens é, como mencionamos anteriormente, o custo de suas fábricas em comparação com outros serviços de hospedagem, mas se você estiver procurando por uma hospedagem que ofereça desempenho ao seu aplicativo ou site baseado em Java, a hospedagem em java será sua melhor opção. opção

2. Hospedagem do Windows

Embora a maioria dos sites sejam hospedados em servidores Linux, isso nem sempre será a escolha certa para todos. Embora o Linux seja um sistema operacional livre, seguro e rápido, se seu site ou projeto for baseado na tecnologia .Net ou ASP.NET, a melhor opção para você é escolher uma hospedagem baseada em Windows, que permitirá verificar o status de seu projeto, configure, gerencie e melhore seu desempenho.

Vantagens e desvantagens do Windows Hosting

Algumas das vantagens do Windows Hosting estão no simplicidade na instalação e atualização de programas, bem como o fornecimento de ferramentas para executar essas etapas. Além disso, você tem a opção de configurar seu servidor para executar algumas funções automaticamente sendo muito úteis para pessoas que lidam com tráfego e vários sites.

Algumas das empresas que oferecem essas hospedagem Windows são: Hosting A2, Hostwinds, Liquidweb entre outros.

Com uma hospedagem Windows, você terá a opção de hosting dedicado ou VPS, no entanto, é uma desvantagem que você não tenha acesso aos aplicativos que você teria em uma hospedagem Linux; Além do plano de hospedagem, você deve pagar o preço da licença da Microsoft, tornando-a uma opção mais cara do que o Linux.

Outra desvantagem do Windows é a alta capacidade que esse servidor precisa para sua instalação, pois é um servidor que requer várias ferramentas, atualizações, elementos e manuseio correto para ser executado corretamente.

3. Hospedagem Linux

Linux, um sistema operacional criado no início dos anos 90 na Finlândia, sob uma licença gratuita, que tem feito hoje, eficiente, confiável e segura, ideal para servidores de hospedagem na web.

Se o nosso site usar uma linguagem Perl, MySQL ou PHP, o servidor Linux é definitivamente ideal, já que o Linux como sistema operacional lida com essas linguagens para processamento de dados online.

Vantagens e desvantagens do Linux Hosting

Algumas das vantagens de usar o Hosting for Linux é a porcentagem a menos, com relação ao Windows para sofrer ataques por vírus ou criminosos virtuais. Em comparação com outros servidores, Linux não requer alta manutenção e constante devido à sua configuração. Você está isento do pagamento de licenças e, além disso, o Linux oferece uma variedade de ferramentas para melhor controle.

Talvez a maior vantagem de usar servidores Linux esteja em ter um painel de controle como Plesk ou cPanel, muito facilmente, oferecendo a opção de criar e carregar arquivos, baixar aplicativos e contas de e-mail.

A desvantagem mais notável é que, sendo uma opção de hospedagem tão popular, muitos servidores tendem a estar superlotados e o atendimento ao cliente geralmente leva tempo para resolver os problemas que às vezes surgem.

Conclusão

Por fim, poderíamos dizer que, em termos gerais, os serviços de hospedagem, embora sejam frequentemente propostos, tendem a se concentrar em fornecer um determinado tipo de serviço com mais eficiência: a hospedagem Java é recomendada para aplicativos e sites baseados nessa linguagem de programação; A hospedagem do Windows é recomendada para hospedar projetos em ambientes .net ou .asp; e finalmente o Linux é mais recomendado para hospedar sites em geral.

Você já sabe qual tipo de hospedagem é mais recomendado para o seu projeto on-line? Deixe-me saber nos comentários 🙂

A entrada #PreguntaFreelance: Quais são os tipos de hospedagem mais recomendados? Foi publicado pela primeira vez em My Freelance Life.

Textos interessantes:

Viajar é Minha Paixão

Ofertas de emprego: 6 sites para procurar emprego

Poderoso, Milhões de Dólares Lições que Aprendi em 2015

Técnicas de Maquiagem para Festas

 Recursos inerentes do ZenCart que garantem um impulso no negócio on-line

Libertar a várias fotos no eBay

No futuro, os navegadores avisarão com mais clareza sobre sites sem criptografia SSL

ITI – Um Guia Completo de Admissão, Exame, Resultados, Emprego e Mais

Por que às vezes tomamos decisões que nos machucam


Algum tempo atrás eu li uma história que me chamou a atenção.

Era a história de uma aldeia na Índia, onde havia uma praga de cobras que aterrorizava a população.

Todos os dias, vários vizinhos tinham que ser atendidos por mordidas, as crianças não podiam ir à escola e os viajantes não queriam olhar em volta para evitar qualquer risco.

Diante dessa grave situação, o prefeito decidiu tomar uma decisão sobre o assunto e anunciou uma recompensa de 10 moedas de ouro para quem matasse uma cobra e desse sua pele como prova, esperando que isso atraísse homens corajosos para ajudá-lo a resolver o problema. problema E ele não estava errado.

Alguns dias após o anúncio, os caçadores de cobras começaram a chegar à cidade em busca de riquezas, e imediatamente a quantidade de répteis começou a diminuir.

Pouco a pouco, a cidade recuperou seu sorriso

As crianças brincavam nas ruas, as pessoas podiam sair de suas casas sem medo e todos celebravam a sábia decisão do prefeito.

No entanto, as boas novas não duraram muito.

Dentro de algumas semanas, a cidade foi novamente preenchida com cobras e, embora os caçadores continuassem a matá-los e reivindicar seu dinheiro, o número de répteis continuou a crescer.

Finalmente, depois de alguns meses naquela situação, a prefeitura foi arruinada, os caçadores de recompensas foram embora e a cidade acabou abandonada.

END

Como você pode ver, a história que eu contei não tem final feliz

Os habitantes tiveram que fugir e as cobras tomaram a aldeia.

Mas o que diabos foi o que aconteceu? Por que as cobras reapareceram de repente se a peste já estava controlada?

Muito simples.

Embora no primeiro caso o anúncio do prefeito tenha feito a cidade cheia de caçadores dispostos a matar cobras, isso teve outras consequências inesperadas.

Quando os caçadores ficaram sem cobras para caçar, pois não queriam desistir da suculenta recompensa, eles começaram a criar suas próprias cobras e deixá-las soltas nas ruas, para que pudessem pegá-las e coletar suas moedas de ouro.

Isso fez com que o número total de cobras não diminuísse, embora alguns morressem todos os dias.

E enquanto isso, o prefeito ainda estava pagando e pagando … até que um dia a cidade ficou sem dinheiro e faliu.

Sua iniciativa, que visava resolver o problema das cobras, não só não resolveu, mas teve o efeito oposto.

E tudo porque ele ignorou as conseqüências de segunda e terceira ordem.

Consequências da segunda e terceira ordem

Em meu último artigo, expliquei que vivemos em um mundo complexo e interconectado, onde uma ação nunca tem uma única consequência.

Há sempre múltiplas consequências, que por sua vez geram outras consequências, que por sua vez geram outras conseqüências … e assim por diante, em vários níveis.

No primeiro nível de consequências, as conseqüências mais imediatas, podemos chamá-las conseqüências da primeira ordem.

No segundo nível de conseqüências, as consequências causadas pelas conseqüências da primeira ordem, podemos chamá-las Consequências de segunda ordem.

No terceiro nível de consequências, as conseqüências causadas por conseqüências de segunda ordem, podemos chamá-las Consequências de terceira ordem.

E assim por diante.

O erro cometido pelo prefeito foi que ele só levou em conta as conseqüências de primeira ordem de sua iniciativa (que eles iriam ao povo de caça para matar as cobras), e ignorou as consequências da segunda ordem (que quando não havia cobras os caçadores iriam para parar de carregar) e terceira ordem (que os caçadores iam levantar suas próprias cobras para poder continuar carregando).

Exatamente o mesmo erro que cometemos quando assumimos que mais é sempre melhor.

Nós superestimamos as conseqüências da primeira ordem, mas nos esquecemos de todas as outras.

Por exemplo, quando avaliamos uma promoção, olhamos apenas para o aumento da renda que vamos obter (conseqüência da primeira ordem), e ignoramos que eles nos pagarão mais para que assumamos mais responsabilidades (conseqüência da segunda ordem), e que essas novas responsabilidades podem resultar em mais horas no escritório, mais estresse e um trabalho mais chato (conseqüências de terceira ordem).

Como tomar melhores decisões

Este conceito de consequências de primeira ordem, segunda ordem e terceira ordem eu aprendi com Ray Dalio, e eu queria compartilhar com você porque parece essencial criar uma vida feliz.

E é que, em muitas ocasiões, nós mesmos estragamos a vida porque tomamos decisões fixando apenas as conseqüências imediatas e ignorando todas as outras.

Por exemplo…

  • Escolhemos junk food porque tem um gosto bom (consequência da primeira ordem) e ignoramos o efeito que terá no nosso corpo (consequência da segunda ordem). No final, acabamos obesos e com problemas de saúde.
  • Entramos em uma hipoteca por 30 anos porque queremos ter nossa própria casa (conseqüência de primeira ordem) e não sabemos quanto essa dívida pode limitar nossa liberdade (conseqüência de segunda ordem). No final, acabamos acorrentados a um trabalho que odiamos porque temos que pagar ao banco todo mês.
  • Estamos obcecados com o fato de que nossa empresa cresce o mais rápido possível para ganhar mais dinheiro (conseqüência de primeira ordem) e ignoramos a responsabilidade que vem com a gestão de uma grande empresa com mais funcionários (conseqüência de segunda ordem). No final, acabamos estressados ​​e sem tempo para nossa família.

Se você notar, na maioria dos casos as conseqüências da primeira ordem são muito tentadoras (prazer, posses, dinheiro), mas elas não têm um grande impacto em nossa felicidade.

Pelo contrário, as conseqüências de segunda e terceira ordem afetam o que é verdadeiramente importante na vida (saúde, liberdade, relacionamentos).

Isso significa que muitas vezes nos deixamos levar pela tentação e sacrificamos, sem perceber, coisas que são mil vezes mais valiosas.

O segredo para evitar cair nesse erro é muito simples:

Ao tomar qualquer decisão, tenha em mente todas as conseqüências da decisão, não apenas as conseqüências da primeira ordem.

Não fique apenas no imediato. Olhe além disso.

Porque se você levar em conta apenas "algumas" conseqüências, você pode acabar recebendo o oposto do que você queria alcançar.

Assim como aconteceu com o prefeito de nossa história.

###

De Stock: Serpenteie na lagoa com as folhas do lírio de água

O post Por que às vezes tomamos decisões que nos machucam apareceu primeiro em Viver ao máximo.

Artigos Relacionados:

Um guia para submergir ou Como proteger suas informações na Internet

A melhor maneira de ter sucesso online é dando certo

Relação Foto x Vídeo

Links, Links, Links – Táticas comprovadas para construir links

Marketing bem sucedido para cristãos

Aqui vamos nós! -código-bude.net

Por que a rede é um dos principais ativos do seu negócio e como transformar influenciadores em amigos e clientes

ITI – Um Guia Completo de Admissão, Exame, Resultados, Emprego e Mais

Vivir al Máximo

Resumo e avaliação de 2018


Como fiz em 2016 e 2017, este ano decidi publicar um breve resumo do que fiz em cada um dos 12 meses de 2018, seguido por uma reflexão sobre as lições mais importantes que aprendi durante o ano.

É um exercício muito interessante que me ajuda a lembrar de tudo o que eu vivi, me faz refletir sobre meus sucessos e erros, e me faz ver que tenho a sorte de levar a vida que levo, então eu encorajo você a tirar um tempo para fazer o mesmo.

Você pode usar o meu formato ou outro que você gosta mais, isso é o mínimo. O importante é que você faça isso.

Abaixo, você encontrará meu resumo e minha avaliação do ano de 2018.

Espero que você goste!

E como sempre, se a minha vida não for importante para você, você pode pular todo o resto e ir diretamente para a seção de reflexões. Eu prometo a você que não vou guardar rancor

Este foi meu 2018

Janeiro: Fim do Natal e retorno a Praga

Como sempre, iniciei o ano de 2018 em Cáceres, comemorando o Ano Novo com minha família e amigos.

Eu estive lá até poucos dias depois de Reyes, e de lá voltei a Praga, que é onde eu estava estabelecido naquele momento.

Assim que cheguei em Praga, voltei às aulas de tcheco (a primeira parte da A2) e também me inscrevi para um coworking porque parecia uma boa ideia separar minha casa do meu local de trabalho.

Embora minha experiência em coworking não tenha sido ruim, a verdade é que eu também não me apaixonei … Eu tive a impressão de que não havia muita diferença entre trabalhar na área comum e trabalhar em um refeitório, exceto que a primeira opção é mais cara, e que alugando um escritório dentro do coworking não tem muitas vantagens em comparação a alugá-lo por conta própria. Então, a menos que você seja um daqueles que aproveitam os eventos e toda a parte social do coworking, minha conclusão é que faz mais sentido alugar uma casa com um pequeno escritório ou procurar um escritório normal.

No nível de trabalho, a coisa mais importante que fiz em janeiro foi treinar Isa, a nova assistente que contratei no final de 2017 e que estava na época em seu período de experiência.

A verdade é que ensinar foi super simples, porque é uma máquina e pega tudo na primeira vez, então eu não hesitei em incorporá-lo oficialmente à equipe.

Além disso, janeiro foi um mês de reflexão em que passei muito tempo refletindo sobre minhas prioridades e sobre o tipo de vida que queria levar, e tomei a decisão de parar de viver viajando. Apesar de bom, como você vai ler abaixo, alguma viagem que fiz em 2018, mas já de outra forma 😉

Janeiro de 2018. Amigos do Ángel em Mérida
Com minhas melhores amigas de Cáceres, as "raposas do deserto", todas juntas pela primeira vez em anos

Fevereiro: Encontre seus carnavais Camino 2.0 e Colônia

Em fevereiro parei de frequentar as aulas de tcheco para poder focar 100% no grande projeto que está por vir: o lançamento da 2ª edição do Find Your Way, meu programa para descobrir o que você quer e criar uma vida que motive você , você é apaixonado e realmente preenche isso.

Após a 1ª edição, que ocorreu no início de 2017, nós tínhamos uma lista gigante de coisas que queríamos melhorar, e era hora de ver como as integraríamos.

No final, percebemos que as mudanças que precisávamos fazer eram de tal profundidade que não seria suficiente com alguns pequenos toques, mas que tudo era realmente bom, tinha que re-gravar todo o curso, então tivemos bastante trabalho em frente …

No entanto, após a má experiência do ano anterior, em que para ser muito agressivo com as datas acabei petando, decidi que desta vez eu faria tudo com calma, e que eu não iria lançar o programa até que tudo estivesse pronto.

Além do Find your Way 2.0, em fevereiro de 2018 começamos a planejar o VAM 2018 Party, e também tivemos que fazer a transição do autônomo para a sociedade, o que para quem ainda não viveu é uma dor infinita.

Mas como você pode imaginar, não foi todo trabalho em fevereiro …

Também houve tempo para se divertir no Carnaval de Colônia, que nunca decepcionou.

Este ano, minha namorada comprou alguns sacos de batatas, algumas cordas, algumas perucas e algumas pinturas negras, e nos disfarçamos de homens das cavernas. Muito barato e muito simples o disfarce, e também muito divertido, mas um pouco sujo porque os sacos soltam pêlos lá onde você vai 😄😄😄

Fevereiro de 2018. Carnaval de Colônia
Dando tudo nos carnavais de Colônia

Março: Últimos dias em Praga e transferência para Barcelona

Março foi meu último mês em Praga.

Minha namorada estava morando lá nos últimos 7 anos de sua vida e ela queria uma mudança de cenário, então decidimos nos mudar para Barcelona, ​​que é uma cidade que eu gosto muito e onde eu tenho muitos amigos, e onde ela poderia fazer um bootcamp de programação como o Ironhack e facilmente conseguir um emprego.

Antes de deixar a República Tcheca, Marco e Nico, dois dos meus melhores amigos da universidade, vieram passar alguns dias em minha casa. Eu estava ensinando a eles a cidade, fizemos a sala de fuga Haunted House 2, que é ótima, e visitamos todos os meus restaurantes favoritos.

Uma das atividades que fizemos que me chamou a atenção foi tomar um café em um café especial, onde você só pode pagar com BitCoins.

A verdade é que eu não sei quase nada sobre criptomoedas, porque é um assunto que não me chama a atenção, mas eu ainda estava muito curioso para ver como eles funcionavam em um contexto real. Bem, depois de passar quase duas horas naquele café esperando os mineiros confirmarem o pagamento dos cafés, a única coisa que posso dizer é que – pelo menos como método de pagamento – esse bitcoin ainda é muito verde.

Finalmente, anedotas à parte, em 18 de março nos mudamos para Barcelona para um Airbnb que alugamos perto da Sagrada Família, um bairro que eu não conhecia, mas que é muito legal.

Minha namorada começou seus estudos intensivos na Ironhack, e eu, da minha parte, me coloquei no "modo de lançamento", fechando os últimos detalhes da 2ª edição do Find Your Way.

Março de 2018. Visita em Praga
Um dos meus últimos dias em Praga, bem acompanhado

Abril: lançamento "falhou"

O mês de abril foi o mês do lançamento do Find Your Way.

Para apresentar a 2ª edição, resolvi enviar alguns e-mails e fazer um webinar. Não é comum nestes casos, mas eu decidi por esta opção porque eu vi mais fácil e menos estressante do que fazer os típicos lançamentos de 4 vídeos. Além disso, convidei o webinar apenas para as pessoas da minha lista. Nenhum afiliado ou publicidade para estranhos.

Os e-mails, que escrevi com a ajuda do meu amigo Javi Pastor, funcionaram muito bem, e mais de 5.000 pessoas se inscreveram para o webinar, dos quais apenas 2.000 participaram ao vivo. No entanto, apesar de compartilhar mais de uma hora e meia do meu melhor conteúdo, no final do evento apenas 4 pessoas se inscreveram no curso. Você pode imaginar meu rosto quando vi esse número …

Por sorte, nos dias seguintes a coisa melhorou, e fechamos com 88 alunos, mas mesmo assim, a% de matriculados foi muito baixa e ficou longe dos 150 alunos que me marcaram como alvo.

Garanto-lhe que gerenciar suas expectativas em uma situação como essa não é fácil. Em um setor onde seus colegas fazem lançamentos de milhões de dólares e nos quais, se você não faturar pelo menos € 100.000 em um lançamento, parece que você falhou, é muito fácil desmembrá-lo.

Mas eu fiz o que sempre faço nesses casos, que é tentar ver as coisas do lado positivo.

Em primeiro lugar, o fato de 88 pessoas confiarem em você para ajudá-las a mudar suas vidas é um passado, e é algo de que se orgulhar.

Segundo, quanto mais faturamento não faz você valer mais como pessoa, e poder entrar em uma semana o que muitas pessoas levam 2 ou 3 anos de trabalho é incrível e isso me faz sentir muito feliz.

Finalmente, ter menos clientes tem uma grande vantagem, que é oferecer um tratamento muito mais personalizado. Então, em vez de reduzir o número de tutores para reduzir custos, decidi mantê-lo, mas atribui menos alunos a cada um deles.

Curiosamente, este acompanhamento super personalizado que oferecemos foi um sucesso. Pessoas alucinadas com a qualidade do apoio, a taxa de sucesso foi muito alta e percebi que este era o caminho a percorrer no futuro: tutores com pequenos grupos que conhecem bem os seus alunos, dão-lhes uma atenção especial, e realmente apoiá-los e se preocupar com eles.

Se 150 pessoas tivessem se inscrito, eu provavelmente não teria visto isso, então eu vou ficar com o que o famoso ditado diz: "não há nenhum mal que não venha bem".

No lado pessoal, em abril levei tempo para fazer muitas coisas …

Passei alguns dias em Sevilha, para que minha namorada soubesse da Semana Santa. Eu estava nas festas em La Sagrera, em Barcelona. Eu fui churrasco com os colegas. Eu fui ao show do Roger Waters. E meu amigo Carmelo e seu irmão chegaram em casa um fim de semana para me visitar.

Abril de 2018. Em um bar em Barceloneta
Com Carmelo, seu irmão e alguns amigos em um bar decadente em Barceloneta

Maio: Final dos campeões em Kiev

Maio foi um mês muito mais calmo que abril.

Com o lançamento já finalizado, concentrei-me em terminar a regravação dos módulos do programa que faltavam (não tive tempo de gravá-los antes do lançamento) e de participar da melhor forma possível para os alunos, mas com calma, sem o estresse do ano anterior .

Minha namorada, por outro lado, foi entretida com a última parte do Ironhack, que é uma formação bastante intensa.

Além disso, maio de 2018 é um mês que eu vou lembrar toda a minha vida, porque foi o mês em que eu realizei um dos meus maiores sonhos: ver o Real Madrid jogar uma final da Liga dos Campeões.

Aproveitando o casamento do meu irmão no final de junho, decidi comprar-lhe uma entrada como presente de casamento e fomos juntos a Kiev.

Eu nunca tinha ido à Ucrânia ou a sua capital, e devo dizer que a cidade superou todas as minhas expectativas. Muito bom, muito moderno, e todas as pessoas que conhecemos nos trataram fenomenalmente.

No primeiro dia nós nos tornamos amigos de um irlandês que era um super fã de Liverpool, e algumas garotas ucranianas super-safadas que mais tarde nos levaram para fora, e nós nos divertimos muito.

Bem, além disso, o Madrid ganhou o título com um grande golo de Bale do Chile, que eu pude ver ao vivo na minha frente, por isso acho que não posso pedir mais. 🙂

Uma experiência incrível que vou lembrar toda a minha vida.

Maio de 2018. Final da Liga dos Campeões em Kiev
Com meu irmão, dentro do estádio, pouco antes do início da grande final

Junho: festa VAM, encerramento do ETC e casamento do meu irmão

Junho foi um mês muito bom, com vários eventos importantes.

O primeiro foi o Fiesta VAM 2018, que é o evento ao vivo de Living to the Maximum.

Este ano queríamos que fosse maior e melhor do que nunca … e honestamente, acho que conseguimos.

Reunimos quase 250 pessoas em Madri durante um dia super intenso, no qual desfrutamos de palestrantes da estatura de Sergio Fernández ou Miquel Baixas, atividades de networking e formação de equipes, abraços tântricos e uma grande festa final que durou até as 6 da manhã. a madrugada.

O quarto que escolhemos era espaçoso e confortável, a comida muito melhor do que há 2 anos, e os participantes conectados uns com os outros, assim como sempre. Então um sucesso! Ambas Isa e eu acabamos de ser destruídas, mas muito satisfeitas 🙂

O segundo grande evento foi o encerramento da 2ª edição do Find your Way. E eu considero um grande evento porque esse grupo de estudantes tem sido muito especial.

Graças às mudanças que introduzimos, tanto no conteúdo quanto no funcionamento da comunidade, os alunos se tornaram uma grande família, a ponto de se organizarem em sua própria estada em diferentes cidades da Espanha e até mesmo deixando vários deles em férias. junto

E não só isso, mas a taxa de sucesso que tivemos foi muito alta. Praticamente todo mundo que levou o programa a sério e completou pelo menos os primeiros 6 módulos, conseguiu sair do bloqueio em que estava, esclarecer suas idéias e encontrar uma opção futura que o excitaria. E houve até aqueles que encontraram o trabalho de seus sonhos e começaram a trabalhar nele antes de terminar. Uma passada.

Na verdade, algo tão legal foi criado entre os alunos e os tutores que decidimos organizar um jantar final de formatura para encontrar o seu caminho em novembro, para nos conhecermos pessoalmente.

Finalmente, o terceiro grande evento do mês de junho foi o casamento do meu irmão do meio (o tio se adiantou a mim).

Ele se casou em um castelo muito bonito que fica aqui perto de Cáceres, e embora tenha havido um pouco de tensão pela manhã, porque anunciaram chuvas, no final tudo correu bem.

Foi o casamento mais engraçado e melhor organizado que eu já estive, e tanto a noiva quanto o noivo ficaram encantados, então outro sucesso.

Junho de 2018. Casamento em Cáceres
Na minha casa em Cáceres com o namorado e minha família, pronto para ir à igreja

Julho: Astúrias e Costa Rica

Depois de vários meses de trabalho duro, eu precisava de férias, então em julho foi o que eu fiz.

Logo após o casamento do meu irmão, fui com a minha namorada para passar alguns dias nas Astúrias, que é uma área da Espanha que eu amo e que não é tão quente como em Barcelona.

Eu tinha ido ao Principado antes, mas apenas alguns dias em Oviedo, então desta vez aproveitei a oportunidade para conhecê-lo mais detalhadamente.

Além de retornar a Oviedo, estávamos em Gijón, em Cudillero, subimos ao Santuário de Covadonga e os Lagos, visitamos as cavernas de Tito Bustillo, fizemos a descida do Sella … Tudo incrível.

Após a turnê asturiana, voltamos para Barcelona porque minha namorada começou a trabalhar (eles a contrataram três semanas depois de terminar Ironhack) e porque eu estava indo para a tradicional viagem de verão com meus amigos de Madrid.

Em 2016 foi o Peru, em 2017 a África, e em 2018 optamos pela Costa Rica.

Caso você esteja curioso, o caminho que fizemos foi San José – Jacó – Manuel Antônio – Corcovado – Tamarindo – Rincon de la Vieja – Monteverde – La Fortuna – São José – Tortuguero – São José, e a verdade é que o país que amamos.

Pessoas incríveis, muita natureza e muita tranquilidade. Acho que foi a viagem mais saudável que já fizemos, acordar às 6 da manhã e fazer caminhadas quase todos os dias 🙂

Como no ano passado, para esta viagem não Eu peguei o laptop, então foi ótimo desconectar e ir para casa com a cabeça cheia de novas idéias.

Julho de 2018 - na Costa Rica
Minha foto favorita da viagem à Costa Rica ❤

Agosto: Turismo na Catalunha

Na primeira semana de agosto passei na Costa Rica, fazendo a parte final da viagem, e depois voltei a Barcelona, ​​onde meus amigos Nico e Princess já estavam esperando que eu passasse alguns dias juntos.

Além de caminhar por Barcelona, ​​aproveitamos para alugar um carro e fazer algumas excursões na Catalunha, que é uma comunidade autônoma que ainda estou descobrindo.

Fizemos várias atividades, mas a que eu mais gostei foi de caiaque no Monrebey Gorge.

Você tem que ir de carro até o píer do Corçà, em Lleida, lá você aluga alguns caiaques, e você cruza remando no famoso desfiladeiro onde você tem a Catalunha de um lado e Aragón do outro.

Há 14 quilômetros de ida e volta, há vários lugares para dar um mergulho, e as vistas durante toda a viagem são incríveis.

Depois de alguns dias de turismo com meus amigos, eles foram para Cáceres um e para os Estados Unidos do outro, e eu comecei a preparar calmamente a temporada 2018/19 de Living to the Maximum.

Durante as férias eu sempre tenho boas idéias e, quando volto, quero muito trabalhar, mas gosto especialmente de fazê-lo em agosto e setembro, porque são meses muito calmos, nos quais eu sempre dou um tempo nas publicações, para poder seguir em frente. calma

Agosto de 2018. Caiaque em Monrebey
Caiaque através do desfiladeiro de Monrebey

Setembro: Uma vida para você e o Hotmart FIRE

Setembro é o meu mês favorito do ano.

Está quente, mas não muito quente, e o ar cheira a um novo começo.

No meu caso, comecei o mês curtindo a correfoc de Vilafranca del Penedés. Meu amigo Pau Ninja é de lá e sua avó tem uma casa com telhado na praça da igreja, onde a turnê termina, para que pudéssemos ver o final do show a partir de uma localização privilegiada.

Além disso, setembro foi o mês em que lancei o "Una vida para a tensão", o podcast Live to the Maximum.

Eu estava querendo criar conteúdo neste formato por um longo tempo, porque eu realmente queria experimentá-lo e porque eu achava que poderia contribuir com algo diferente para os meus leitores, então aproveitando as férias de verão eu me envolvi com isso.

Eu tive que apertar um pouco, porque no dia 25 eu estava indo para o Brasil e queria lançá-lo logo antes de sair, mas finalmente consegui e entrei no avião com toda a parte técnica e design resolvida, e com os 4 primeiros episódios gravados.

Devo dizer que o podcast tem sido um dos grandes sucessos do ano, já que não só tenho um ótimo tempo de gravação como também me conecto com pessoas incríveis, mas notei que durante as conversas surgem naturalmente idéias naturais. poderoso que eu posso compartilhar com meu público em formato de post.

Graças a isso, pude retomar as publicações semanais e, no último trimestre do ano, não houve uma única terça-feira em que não publiquei um novo episódio do podcast ou um novo artigo, algo de que tenho muito orgulho 🙂

Como eu estava dizendo antes, logo após o lançamento do podcast, fui ao Brasil para o evento anual Hotmart em Belo Horizonte: o Hotmart FIRE.

Trata-se de um evento de três dias com a presença das maiores info-produtoras do Brasil, um mercado que está a anos-luz do espanhol e ao qual também participamos este ano das maiores info-produtoras da Espanha.

Lá eu me juntei com meus amigos Javi Pastor, Roberto Gamboa, Javier Elices e Juanmi de Más y Mejor, e também tive a oportunidade de conhecer outras rachaduras como Dani Aragón, Sergio Peinado e alguns brasileiros como Bruno Picinini, que acontece que vive em Barcelona

A verdade é que eu me diverti muito e levei várias ideias muito interessantes para aplicar no meu negócio.

A propósito, quero aproveitar esta oportunidade para agradecer publicamente ao Hotmart e, mais especificamente, Raúl e Maira, porque eles nos trataram por 10 durante todo o evento. Eu pessoalmente não uso sua plataforma para vender meus cursos, porque isso não me dá o controle que eu busco sobre a experiência do usuário, então eu só uso como afiliado, mas a maioria dos meus amigos o usam e são muito felizes.

Finalmente, em setembro, meu irmão e alguns amigos da minha namorada vieram a Barcelona para nos visitar, e aproveitamos para ir até Monserrat e visitar o mosteiro, que era algo que tínhamos pendente.

Como você pode ver, setembro foi um mês muito intenso para mim …

Mas se isso não bastasse, em setembro foi quando meu irmão me deu as notícias mais importantes do ano: vou ser tio !!! 👏👏👏

Setembro de 2018. FOGO Hotmart.
Foto do grupo no último dia do Hotmart FIRE

Outubro

Outubro me pegou no Brasil, logo após o Hotmart FIRE.

A maioria dos espanhóis voltou para casa após o evento, mas eu não via o ponto de ir tão longe apenas para ver algumas palestras de marketing online, então fiquei algumas semanas viajando com Rober, Juanmi e Monetizados.

Passamos alguns dias em Balneário Camboriú, que fica no sul, perto de Florianópolis, onde tivemos a sorte de coincidir com a mais importante Oktoberfest do Brasil.

De lá fomos para Mendoza, na Argentina, onde nos reunimos com meu grande amigo Santi, e também tive a oportunidade de me encontrar com muitos dos amigos que fiz anos atrás, quando passei algumas semanas morando na cidade.

E finalmente, terminamos a viagem em Buenos Aires, passeando pela cidade e comendo alguns cortes da melhor carne argentina na grelha Don Julio com Cholo Simeone, que por acaso estava lá hoje à noite (história verdadeira).

Foi uma viagem muito legal.

Eu adorei voltar ao Brasil e à Argentina, dois dos meus países favoritos, e também fazer isso com alguns dos meus melhores amigos, então espero repetir muito em breve 😉

Mas tudo de bom acabou, e depois de 3 semanas na América do Sul chegou a hora de voltar ao Barcelona e retomar a rotina, que por outro lado era algo que eu já sentia falta.

A segunda metade de outubro foi focada no trabalho. Eu me dediquei principalmente a criar novos conteúdos de qualidade para o podcast e o blog, e organizar um treinamento exclusivo com o Pastor Javi para promover o programa "Adote um Copywriter", que foi um grande sucesso.

Quase 4.000 pessoas se inscreveram, Javi trabalhou em 4 aulas ao vivo super úteis, e todos os participantes ficaram encantados, tanto aqueles que se inscreveram para o curso de pagamento e aqueles que não o fizeram.

Na verdade, eu gostei muito do formato e me diverti tanto, que também vou fazer 4 aulas ao vivo para o lançamento da 3ª edição do Find Your Way. 🙂

Outubro de 2018. Em Potrerillos
Em Potrerillos, Mendoza, fazendo um churrasco argentino com chapéus de baixa qualidade acompanhados por Moneti, Juanmi e Santi, o mestre torrador

Novembro

Novembro foi um mês muito movimentado, em que várias viagens se juntaram a mim em apenas algumas semanas.

O primeiro foi para Palma de Mallorca, para um casamento de um amigo da minha namorada.

Daquela viagem eu definitivamente iria destacar o bar onde fomos celebrar a despedida de solteiro, porque eu achava que era único. Chama-se La Sifonería e não posso descrevê-lo com palavras. O lugar, o dono … Sério, é algo que você tem que viver uma vez em sua vida.

A segunda viagem foi a Madri, para o "jantar de formatura" do Find your Way 2.0.

Reunimos quase 30 pessoas entre alunos e professores, e foi incrível ver a energia e a camaradagem que existia entre todos. Mas acima de tudo, foi incrível ouvir como o programa havia mudado suas vidas e como eles eram gratos.

Esse tipo de coisa, para ver o impacto que seu trabalho tem sobre outras pessoas de carne e osso, é o que faz todo o esforço e as horas na frente do computador valer a pena.

Finalmente, a terceira viagem que fiz em novembro foi em Praga.

Minha namorada teve que ir a um evento em sua antiga universidade, então já aproveitamos a oportunidade para ficar alguns dias, encontrar amigos e retornar aos nossos lugares favoritos.

Praga é uma cidade grande, com uma atmosfera muito internacional e cheia de oportunidades, e depois desta pequena visita eu reafirmo o que disse em seu dia: se você não encontrar trabalho na Espanha ou não estiver satisfeito com suas condições atuais e falar inglês, Praga é um bom lugar para ir.

Além de viajar, em novembro eu entrei em "modo de lançamento", e comecei a trabalhar no Find your Way 3.0 (graças a Deus eu não tenho que gravá-lo do zero) e nas 4 aulas ao vivo gratuitas que vou ensinar no final de janeiro para apresentar o programa.

Novembro de 2018. Graduação Encontre o seu caminho 2.0
Foto da formatura Encontre o seu Camino 2.0

Dezembro

Dezembro começou com uma pequena viagem a Zaragoza, que era uma cidade que eu nunca tinha ido e que me surpreendeu agradavelmente por sua gastronomia (eu não sabia que havia tanta tradição de tapas) e por seu mercado natalino, que por enquanto é o Melhor que eu já vi na Espanha.

Nem sabia que tinha o mais antigo e importante clube de origami do país, com um museu que vale muito a pena visitar.

Em Zaragoza dediquei-me a passear, a comer bem e também fui ao concerto de Loquillo, que durou 3 horas e foi épico.

Então, no dia 16, fiz 33 anos e, como é tradição, organizei uma grande festa para comemorar com meus melhores amigos.

Desta vez a festa foi em Barcelona, ​​e como eu tinha passado tanto tempo nas Astúrias durante o verão, decidi que era uma "festa das Astúrias". Então eu enchi a geladeira de sidra Trabanco, comprei algumas rolhas e gostei.

Nós nos reunimos quase 40 pessoas em minha casa e foi incrível. Um fim de semana para lembrar.

By the way, no caso de você não sabe, a razão pela qual todos os anos eu comemoro meu aniversário "grande momento" é porque eu acho que os amigos são uma parte muito importante da vida. Casais vêm e vão, mas amigos estão sempre lá, e eles nos trazem algo que um namorado ou uma esposa não pode nos dar.

Infelizmente, à medida que você envelhece, as pessoas ficam cada vez mais ocupadas e têm menos tempo para os amigos. Parece que é preciso um casamento ou algum tipo de evento especial para reunir a turma. Então, como o aniversário é um evento especial, e ao contrário dos casamentos, acontece uma vez a cada 12 meses, eu uso isso como uma "desculpa" a cada ano para desfrutar de um fim de semana com meus colegas mais próximos.

Além do aniversário, em dezembro assinei meu primeiro contrato de locação na Espanha … aos 33!

Até agora, ele só tinha assinado contratos de aluguel nos Estados Unidos, e o resto do tempo tinha sido todos os albergues, Airbnbs e correções temporárias. Mas agora, em 2019, mudo pela primeira vez para um apartamento alugado com um contrato padrão de três anos. Que emoção!

Finalmente, em dezembro voltei a Cáceres para passar o Natal com a família.

Como sempre, gostei de compartilhar esses dias com meus pais, meus irmãos, meus tios, meus primeiros filhos, minha avó … e também ver muitos amigos que eu normalmente não vejo durante o resto do ano.

Dezembro de 2018. Meu 33º aniversário
As últimas horas do meu 33º aniversário

O que correu bem

Agora que revi os últimos 12 meses e vejo 2018 em perspectiva, estou em posição de fazer uma lista de todas as coisas que correram bem durante o ano, que foram muitas.

Estes são alguns dos mais importantes:

  • Eu gostei de boa saúde. Exceto por algumas pequenas lesões e algum outro desconforto menor, em 2018 eu tenho sido saudável e me senti muito bem. Eu mal tive que ir ao médico e sou muito grato por isso.
  • Eu tive tempo para meus amigos e meu parceiro. Em 2018, não deixei o trabalho me distrair do que é realmente importante, e sempre tive tempo de conhecer novas pessoas, ficar e viajar com meus amigos e fazer atividades com minha namorada.
  • Eu parei de viver viajando … e estou muito feliz com a minha decisão. No início de 2018, expliquei que estava cansado de viajar tanto e que iria me instalar em um só lugar, e 12 meses depois posso dizer que foi a decisão certa. Tenho vivido muito tranquilo em Barcelona e, embora tenha continuado a viajar, fiz isso de uma maneira mais alinhada com minhas atuais circunstâncias e preferências.
  • Já estive em novos restaurantes TOP. Um dos meus hobbies é experimentar novos restaurantes de alta cozinha, geralmente com minha amiga Joan, e em 2018 tive a oportunidade de curtir vários dos melhores. Meus favoritos: Aproveite, Pakta e Hoja Santa.
  • Eu aumentei os benefícios de viver ao máximo. Este ano eu não consegui dobrar meus ganhos como havia feito em anos anteriores, mas melhorei meus resultados em relação a 2017. Além disso, fiz vários investimentos importantes para estabelecer as bases que me permitem continuar crescendo.
  • Eu fiquei muito feliz com os resultados de vários projetos. Além de estar satisfeito com os resultados da empresa em geral, também estou no nível individual com o resultado de vários dos projetos que lançamos este ano:
    • Encontre o seu Camino 2.0, que após as mudanças deu um salto de qualidade em relação à versão anterior e teve uma taxa de sucesso muito alta entre os alunos
    • O Fiesta VAM 2018, que tem sido o melhor VAM Fiesta da história
    • Uma vida para a sua medida (o podcast Live to the Maximum), que teve aceitação incrível entre os leitores
    • A promo com Javi Pastor, que também teve um acompanhamento brutal e deixou um gosto muito bom para todos os participantes
    • Tendo recuperado as publicações semanais, algo que eu queria fazer há algum tempo
  • Eu contratei um novo assistente. Em fevereiro de 2018, Isa entrou para a equipe do Vivir al Máximo no cargo de assistente e a verdade é que ele não poderia estar mais feliz com ela. Ela aprendeu tudo o que aprendeu rápido, tirou muitas responsabilidades e provou ser um excelente professor de Encontre o seu Jeito. Sem dúvida, um dos destaques do ano 🙂
  • Eu organizei muito melhor. Depois de muita tentativa e erro, finalmente encontrei um sistema de produtividade e organização digital para mim e para o Living to the Maximum, que funciona para mim. É uma mistura entre o método P.A.R.A de Tiago Forte, o sistema usado por Nat Eliason para definir objetivos, o Asana e uma pequena revisão semanal para garantir que tudo esteja atualizado. Ele também me ajudou muito a começar a usar o OneNote como resultado do curso Construindo um Segundo Cérebro de Tiago.
  • Eu encontrei os fones de ouvido definitivos. Em novembro comprei um Bose QuietComfort 35 II e foi a melhor compra que fiz em muito tempo. Eles são super confortáveis, eles soam muito bem e a função de cancelamento de ruído é incrível. Sem dúvida, eles são os capacetes perfeitos para trabalhar em cafeterias, trens e aviões, e até servem para tirar uma soneca se houver barulho. Caro … mas valem cada euro.
  • Eu segui meu próprio caminho. Eu sinto que 2018 me ajudou a esclarecer minhas idéias sobre como eu quero administrar meus negócios e que espaço eu quero ocupar na minha vida, e em vez de me deixar levar pelas modas do setor ou pelo que as pessoas ao meu redor fazem, eu tenho Eu decidi sair dessa guerra e fazer as coisas do meu jeito. Quiero una empresa pequeña, que no tenga la obligación de facturar un montón para poder pagar las nóminas de un montón de empleados, que no me obligue a ser esclavo de las redes sociales, que me permita desconectar por completo al menos 2-3 meses al año, y que además de darme unos beneficios me permita divertirme y sentirme orgulloso de lo que hago. Y eso ha sido lo que he estado construyendo este año.

Lo que ha ido no tan bien

A pesar de los éxitos anteriores, no todo en 2018 ha sido perfecto.

También ha habido cosas que no han salido como me gustaría y que quiero mejorar:

  • Apenas he progresado con el checo. En el último trimestre de 2017 empecé a estudiar checo, y a base de ir a clases intensivas y de estudiar todos los días, avancé un montón en tan sólo 4 meses. Aprender checo fue uno de los éxitos del año pasado, y para mí fue súper satisfactorio el poder mantener una conversación básica con un camarero o con mis suegros en su idioma. Sin embargo, este año, después de venirme a España no he seguido progresando. Sí que he seguido repasando el vocabulario y la gramática para no olvidarlo, así que algo es algo, pero no he aprendido casi nada nuevo. En 2019 me gustaría mejorar este aspecto, retomar mis estudios, y completar al menos el nivel A2.
  • Han caído las ventas de mi curso de Idea2Blog. Aunque como te dije antes los beneficios de Vivir al Máximo han crecido este año, los ingresos provenientes de Idea2Blog, mi curso de blogging, han caído bastante. Sé que el producto es buenísimo, y que genera resultados; también sé que hay mucha gente en el mundo que quiere empezar un blog o que se beneficiaría de empezar un blog, y a quienes el curso ayudaría un montón. El problema en este caso está en el marketing. El mercado ha evolucionado mucho en los últimos años, y tanto el training gratuito como la página que uso para vender el curso no transmiten correctamente la gran oportunidad que es el tener un blog y el gran impacto que puede llegar a tener en tu vida, y eso me está pasando factura. Así que esta es una de las tareas pendientes para este nuevo año: actualizar el marketing y el proceso de ventas de Idea2Blog para poder llegar y ayudar a más personas.
  • Me he relajado demasiado en algunos momentos del año. Como a principios de 2017 me estresé mucho con el lanzamiento de Encuentra tu Camino, decidí tomarme el 2018 con mucha más calma. Tanta, que en algunos momentos fue demasiada. Una cosa es no forzar la máquina hasta llegar al burnout y otra bien diferente el dedicar tu tiempo a hacer cosas fáciles o poco importantes con la excusa de que “no quiero estresarme”, y reconozco que en 2018 ha habido veces que he pecado de lo segundo, y lo he notado porque no me he sentido realizado con mi trabajo. Sin duda, este será un punto a vigilar en 2019.
  • He perdido demasiado tiempo en tonterías. Aunque haya lectores que piensen que soy súper productivo y que nunca me distraigo, siento decirte que no es el caso. La realidad es que enredo bastante, y este año he perdido muchísimo tiempo curioseando las redes sociales o leyendo las noticias de política en el periódico y viendo los comentarios que deja la gente. No hay nada de malo en hacer estas cosas. No creo que sean ningún crimen, y un rato como entretenimiento no están mal, pero la realidad es que, si soy sincero conmigo mismo, preferiría dedicar parte de ese tiempo a otras cosas, así que eso es lo que voy a intentar a partir de ahora.
  • El perfeccionismo sigue siendo mi peor defecto. Con diferencia, este es mi talón de Aquiles: el querer hacer las cosas tão bien, tão perfectas, que a veces me paso horas y horas retocando los márgenes de una página o regrabo un vídeo 7 veces sólo porque he dicho “eh” una vez durante la grabación. Creo que el cuidar los detalles tiene su lado positivo, pero llevado al extremo no es bueno porque te lleva a dedicar demasiado tiempo a cosas poco importantes y te impide delegar eficientemente, así que es algo que seguiré trabajando este año. El obligarme a hacer cosas en directo, que no se puedan rehacer una y otra vez, como el podcast o el próximo training de Encuentra tu Camino, es una de mis maneras de combatir este perfeccionismo. También es parte de la solución el ponerme fechas límite que me impidan darle demasiada bola a tonterías. Sigo mejorando, pero todavía queda un buen trecho por recorrer.

Lecciones aprendidas

Por último, me gustaría cerrar este artículo compartiendo contigo algunas lecciones o conclusiones a las que he llegado a lo largo de este año, y que de alguna manera condensan las cosas más importantes que he aprendido en 2018:

  • Si trabajas desde casa, merece la pena alquilar una oficina o tener un despacho sólo para el trabajar. Por quê? Pues por dos motivos. El primero es evitar distracciones por parte de otras personas, ya que si estás con el portátil en la mesa del salón y entra alguien, lo más normal es que te salude o que se ponga a hablar contigo aunque sepa que estás trabajando en algo importante. Y no puedes hacer nada al respecto, porque si alguien te ve en el salón, su tendencia va a ser la de pensar que estás disponible… por mucho que tú le hayas dicho que no lo estás. En segundo lugar, creo que es positivo que tu cerebro asocie un lugar determinado al curro, para que nada más cruzar la puerta se ponga en “modo trabajo”. Si trabajas en tu dormitorio, en el salón o en cualquier habitación de la casa en la que hagas más cosas además de trabajar, tu cerebro va a ser incapaz de hacer esa conexión, y por lo tanto no vas a poder disfrutar de sus beneficios.
  • Para conseguir buenos resultados en tu negocio de manera regular y sin sacrificar tu salud por el camino, necesitas aplicar la tensión justa. Apretarte demasiado no es bueno, porque te puedes romper, pero relajarte demasiado tampoco es positivo, porque tu motivación disminuye y tú sientes que no estás aprovechando tu potencial. La clave es encontrar el punto medio. Pero el punto medio para você. En mi caso, he aprendido que tengo que marcarme objetivos que tiren de mí y me obliguen a centrarme en lo importante, pero también he descubierto que necesito acompañar los periodos de “darme caña” con periodos más tranquilos o incluso de desconexión, porque si no acabo petando.
  • “El estrés es el resultado de la incongruencia en tu sistema de valores”. Esta es una frase de Simon Dolan que descubrí este año gracias a mi amigo David Alonso y que se me quedó grabada a fuego, porque me parece muy cierta. Cuando tus actos están alineados con tus valores, te sientes bien contigo mismo, relajado y en paz con el mundo. Pero en el momento que tus acciones van en contra de tu sistema de valores… empiezan los problemas. Por eso, es fundamental que tengas claro qué es importante para ti y que te asegures de que lo que haces en tu día a día es congruente con esas prioridades.
  • Para ser feliz necesitas tener un propósito más allá de ti mismo. Este año he tenido la oportunidad de conocer a varias personas que se han jubilado jóvenes, antes de los 40, y después de varios años viajando por el mundo, haciendo lo que les daba la gana, y en definitiva, viviendo la vida soñada por muchos, ha llegado un punto en el que todos se han empezado a sentir insatisfechos. El motivo es que vivir sólo para ti mismo, pensando únicamente en tu propio placer y bienestar, no da la felicidad. Una vez que llegas a un punto en el que tus necesidades vitales y económicas están cubiertas, necesitas contribuir de alguna manera a algo más grande, algo en lo que creas de verdad, para sentirte realizado.
  • Dormir bien está infravalorado. No hay ningún hábito que tenga tanto impacto sobre cómo te sientes y cómo rindes durante el día que el dormir 8 horas del tirón. Cuando descansas bien, eres una persona más amable, más productiva, enfermas menos y, en general, disfrutas más de la vida. Además, si estás descansado, te resulta mucho más fácil mantener el resto de tus hábitos positivos. Por eso, defender mis horas de sueño se ha convertido en una prioridad, y aunque me gusta y me ha gustado mucho el cachondeo, siento que cada vez me compensa menos el beber y quedarme despierto hasta las tantas, por el sencillo motivo de que eso afecta negativamente a la calidad de mi descanso.
  • No todo lo que hagas en tu negocio debe ir encaminado a maximizar la facturación. También puedes realizar tareas y tomar decisiones que, aunque no sean las óptimas en términos económicos, contribuyan a otros propósitos importantes, como divertirte más con tu trabajo, tener un mayor impacto o vivir más relajado.
  • Soy un afortunado por poder vivir como vivo. Aunque he tenido que esforzarme mucho para llegar hasta aquí, soy muy consciente de la suerte que he tenido, y estoy constantemente agradecido por ello.

¡¡¡Feliz 2019!!!

###

¡Ahora te toca a ti!

¿Cómo ha sido tu 2018? ¿Qué ha sido lo más importante que has aprendido este año? ¡Cuéntanoslo en los comentarios! Y si has escrito un resumen como este en tu blog y quieres compartirlo, puedes hacerlo sin problema 🙂

Foto: Happy New Year

The post Resumen y evaluación del 2018 appeared first on Vivir al Máximo.

Posts que valem a leitura:

Onde e como vender fotos em um banco de fotos

Frases célebres sobre o sucesso

Obter Mais Feito pelo Almoço, em Seguida, Outros Fazer em 1 Dia

Promoção de conteúdo – Como ser notado por autoridades relevantes

 4 A & # 39; s de Marketing

Ler o sistema operacional em Java – código-bude.net

O Facebook está morto? Não! 7 dicas para mais alcance e interação

Porque a Dieta Detox tem feito tanto sucesso?

Vivir al Máximo

O custo de não confiar


Nos últimos anos, escrevi muito no blog sobre como suas crenças definem seu modelo de realidade e como seu modelo de realidade determina suas ações e, portanto, seus resultados.

Bem, no artigo de hoje, eu gostaria de voltar a este tópico falando sobre uma das crenças que tem mais impacto – e teve – na minha maneira de ver o mundo e agir, para que você o adote se parecer útil.

Se trata de a crença de que a grande maioria das pessoas é boa.

Minha experiência confiando em estranhos

Em geral, quando vejo ou interajo com alguém que não conheço, assumo que ele é uma pessoa honesta e generosa de bom coração.

Eu acho que sua intenção não é me enganar ou tirar vantagem de mim, mas que ele é alguém em quem confiar, sem más intenções, e que ele me ajudaria se precisasse.

Por essa razão, eu nunca tive medo de usar páginas como o CouchSurfing para abrigar estranhos em minha casa, e até mesmo deixar uma cópia das chaves quando fui trabalhar … mesmo que elas possam ter me roubado.

Eu nunca tive um problema em compartilhar carros em BlaBlaCar, ou aceitar convites de pessoas que eu só conhecia online ou que acabavam de conhecer em um bar … mesmo que eles possam ter me seqüestrado.

E eu não hesitei em dar acesso a Isa desde o primeiro dia para todas as contas da minha empresa … embora tecnicamente eu pudesse ter transferido todo o dinheiro da empresa para uma conta nas Ilhas Cayman e ter desaparecido para sempre.

Eu sei que, à primeira vista, agir assim pode parecer loucura ou irresponsável, e é verdade que me custou desgosto.

Por exemplo, na África do Sul, pedi a um menino que tirasse uma foto minha e ele ficou com a câmera de 300 euros que eu acabara de comprar e que também continha todas as minhas lembranças do mês anterior.

Ou há alguns anos, no aeroporto de Barcelona, ​​um garoto inglês me disse que sua carteira havia sido roubada com todos os cartões e pediu-me que lhe emprestasse 100 € para poder voltar para casa. Eu os dei a ele, ele me deu seu número de celular para me enviar minha conta do PayPal e ele devolveu o dinheiro da Inglaterra, mas mesmo que eu o escrevesse, nunca mais ouvi falar dele.

(Ok, aqui talvez eu tenha pecado e eu deveria ter pedido mais alguma garantia, mas eu era jovem, a história dele parecia credível e eu me vi fazendo a mesma coisa se eles tivessem me roubado, então eu decidi ajudá-lo)

Mas você sabe o que?

Apesar de ter alguma experiência ruim, eu ainda acredito firmemente que a maioria das pessoas é boa.

Porque eu acho que as pessoas são boas (apesar de tudo)

Existem duas razões pelas quais eu ainda acredito nisso.

A primeira é que, para cada vez que fui roubado ou trapaceado, tive 100 experiências fantásticas.

Confiar em estranhos me permitiu fazer grandes amizades. Isso me deu a oportunidade de ter aventuras incríveis que eu teria perdido. E o mais importante: isso me permitiu viver em paz.

A segunda razão é que, embora essa crença tenha um custo, a crença oposta também tem um custo e, na minha opinião, é um custo muito mais alto.

Porque quando você pensa que a maioria das pessoas é ruim e que está esperando por uma oportunidade de jogar com você, todas as pessoas ao seu redor se tornam inimigas:

  • Os estranhos que te pedem ajuda são todos mentirosos que querem te roubar e tirar vantagem de você
  • Os motoristas da BlaBlaCar, ou os motoristas que poderiam levá-lo em seu carro se você pegasse carona, são todos possíveis criminosos
  • Os viajantes que querem ficar para dormir em sua casa são todos os ladrões possíveis que devem ser vigiados bem
  • Os funcionários da sua empresa são todos atrevidos, eles só querem roubar você e trabalhar o mínimo possível
  • E, claro, seu chefe é um bastardo explorador que só quer ficar rico às suas custas

Ter esse modelo de realidade o forçará a viver na defensiva, com medo.

Você precisa se proteger de todos, porque na sua cabeça, todo mundo quer te machucar.

E viver assim não é apenas muito cansativo, priva muitas experiências e pessoas maravilhosas.

Mas não só isso, mas também pode ser contraproducente …

Porque quando você desconfia dos outros, eles percebem essa desconfiança e pagam com a mesma moeda.

Em vez de criar um relacionamento em que ambas as partes busquem o melhor uma para a outra, você cria um relacionamento em que ambas as partes se vêem como inimigas e tentam se proteger delas.

E, claro, há muito mais chances de que alguém que seja seu inimigo do que alguém que seja seu aliado cause problemas.

Então, de certo modo, sua crença determina sua realidade, porque você acredita no que acredita, você sempre estará certo:

  • Se você acha que a maioria das pessoas é boa, você terá mais boas experiências que confirmarão essa crença
  • Mas se você acha que a maioria das pessoas é ruim, você terá mais experiências ruins que também confirmarão essa crença

A questão é: como você prefere viver?

Um mundo cheio de aliados ou inimigos

Meu objetivo com este artigo é fazer você refletir sobre seu modelo de realidade.

Você é um daqueles que acredita que a maioria das pessoas é boa, ou você está entre aqueles que acreditam que a maioria das pessoas é ruim, e que tudo o que eles procuram é prejudicar você e tirar vantagem de você?

Se você é um dos últimos, eu gostaria que você pensasse por alguns minutos sobre o custo que esta crença está tendo para você:

  • Do que você está desistindo para ver o mundo dessa maneira?
  • Que coisas você gostaria de fazer que você não faz por medo?
  • Como está o seu relacionamento com as pessoas que fazem parte da sua vida, mas de quem você desconfia?

Então, quero que você imagine como seria sua vida se vivesse em um mundo diferente, cheio de pessoas boas.

Um mundo em que outros não eram inimigos, mas aliados:

  • O que você faria?
  • Como você se relacionaria com os outros?
  • Como você se sentiria?

Eu sinceramente acredito que esta segunda visão do mundo está muito mais próxima da realidade – e muito mais útil – do que a primeira, e eu encorajo fortemente que você dê uma chance.

Sim, é verdade que existe o mal e que há pessoas que roubam, enganam ou tentam se aproveitar de você.

Mas perceba que desconfiar de todo mundo não garante que você seja 100% seguro também.

Não importa quantas precauções você tome, você pode ter a infelicidade de encontrar uma pessoa má que lhe cause um problema sem que você a tenha procurado.

Isto é assim e sempre será.

A boa notícia é que esses tipos de pessoas são apenas uma pequena minoria.

Portanto, assim como vale a pena usar o carro, mesmo que haja a possibilidade de um acidente, também vale a pena tratar os outros como se fossem pessoas boas em vez de pessoas perigosas … mesmo que às vezes você consiga seus dedos.

É muito mais fácil e divertido viver assim.

E se você não acredita em mim, eu recomendo que você ouça o último episódio do podcast com meu amigo Patrick, porque eu acredito que a história dele e todas as aventuras que ele viveu perfeitamente mostram os benefícios de ver o mundo dessa maneira.

Olho! É importante que você entenda que confiar nos outros não significa ser um imbecil ou um inconsciente.

Eu sou o primeiro que eu não vou a lugares que eu sei que são perigosos, que eu olho para as opiniões e leio o perfil de uma pessoa antes de colocá-la em minha casa ou indo de carro, e que eu insisto em colocar tudo por escrito na hora fazer negócios para que depois não haja mal-entendidos, entre outras coisas.

E claro, eu não sou masoquista, e se alguém se comporta mal comigo ou me mostra que não merece minha confiança, eu não dou a ele.

Mas, em geral, se eu não notar nada de estranho, confio nos outros e suponho que eles tenham boas intenções.

Porque eles costumam tê-los.

Então lembre-se …

Você é livre para viver da confiança ou da desconfiança, mas esteja ciente de que ambas as opções têm um custo.

Você decide qual dos dois você prefere pagar.

O post O custo de não confiar apareceu primeiro em Living to the Maximum.

Artigos interessantes:

Ganhar Dinheiro Online

Trabalho como tradutor a partir de casa pela Internet

Como Construir Assassino Páginas de Destino com o Software (Mesmo Se Você não puder Código)

Novo código de prática para as empresas de estacionamento a serem introduzidas -, mas alguns poderão desviá-lo

 Preparação da Campanha de Marketing: The Marketing Mix

Ler o sistema operacional em Java – código-bude.net

O Facebook está morto? Não! 7 dicas para mais alcance e interação

55 formas de economizar dinheiro na Índia – simples, mas eficazes

Vivir al Máximo

Como conseguir que os outros o apoiem, confiem em você e ouçam suas ideias

Quando em 2014 eu disse aos meus pais que eu iria criar um negócio online para deixar a Microsoft e viajar pelo mundo, eles não me levaram muito a sério.

Eles me disseram para parar de falar bobagens, e para cuidar do trabalho que eu tinha porque na Espanha com a crise tudo estava muito ruim.

Quando durante as semanas seguintes eu insisti que ia sair e tentei explicar a eles com argumentos lógicos que isso não era uma idéia maluca, eles continuaram sem me apoiar.

E é mais: não só eles não me apoiaram, mas meu pai me enviou de vez em quando e-mails “dissuasivos” com links para notícias dos desempregados que não tinham nada para alimentar seus filhos, ou de consultores bem-sucedidos que tinham tudo estava perdido e eles viviam no parque, e com questões como “O que você valoriza o que você tem …”, confiando que isso me fez refletir.

Finalmente, depois de várias semanas de cabo-de-guerra, decidi parar de falar sobre esse assunto com minha família e mudei minha estratégia.

Percebi que, independentemente de quantos argumentos eu lhes desse, não ia convencê-los com palavras, então o que fiz foi me trancar para trabalhar. Então, alguns meses depois, quando eu tinha uma página de nicho (site de culinária) que gerava mais de € 1.000 por mês, enviei um e-mail com um link para o site e o recibo do banco do último pagamento da Amazon.

Esse email mudou tudo.

A partir daquele dia, meus pais pararam de me falar sobre “não digam bobagens, ponham os pés no chão”, e seu discurso se tornou “parece bom que você quer sair, mas primeiro salve um pouco mais e espere te dar o cartão verde então você pode voltar. ”

Meu pai parou de me mandar e-mails para me assustar, e ele começou a rever os artigos no meu site e sugeriu melhorias e correções.

E quando contei meus planos aos meus amigos na Espanha, eles não me olhavam como se eu tivesse enlouquecido, mas me pediram para explicar como poderiam fazer o mesmo.

Essa experiência me ensinou uma grande lição que jamais esquecerei:

Quais ações, mas acima de tudo os resultadoseles falam muito mais alto que palavras

E é isso, se você quer que alguém o apoie, confie em você ou ouça suas ideias, o melhor que você pode fazer é fechar a boca e deixar suas ações e seus resultados falarem por você.

Um exemplo real: como conseguir que milhares de pessoas sigam seus conselhos

Meu amigo Marcos Vázquez, criador do Fitness Revolucionario, publica artigos sobre fitness e nutrição há mais de 5 anos.

Suas recomendações tendem a se opor ao que a sabedoria convencional diz, e até se opõem ao que os médicos e as associações de saúde aconselham. De fato, sua missão é mudar a maneira como a maioria das pessoas come e treina hoje.

No entanto, no episódio # 7 de “Uma vida para a sua medida”, Marcos explica que ele não sai por aí dizendo às pessoas que ele está comendo e treinando mal, mesmo que ele tenha estudos e informações objetivas que mostrem que ele está certo.

Se o fizesse, não o escutariam, porque ninguém gosta que um estranho lhe diga que esteve errado a vida inteira.

Em vez disso, o que Marcos faz é se concentrar em escrever e criar novos programas, e deixar os resultados de seus seguidores espalharem sua mensagem.

Porque quando alguém – graças aos seus artigos e produtos – perde peso, se sente melhor ou fica doente por causa de uma doença até então incapaz de curar com pílulas, as pessoas ao seu redor vêem esses resultados e começam a fazer perguntas:

  • “Ei cara, quão bom eu olho para você, o que você fez para obter esses músculos?”
  • “Uau, você é muito mais magra! Como você fez isso?
  • “O que você não tem mais alergias? E isso?

E lá, naquele momento, eles estão dispostos a ouvir.

Foi assim que Marcos conseguiu que centenas de milhares de pessoas em todo o mundo seguissem suas ideias, apesar de não serem médicas, nutricionistas ou personal trainer.

Porque suas idéias funcionam e produzem resultados.

Fatos, não palavras

Se você tomou a decisão de abandonar o caminho convencional e criar uma vida que combina com você, é normal que seus pais, sua família e seu círculo social não o apoiem.

É normal que, não importa o quanto você explique o que você faz e por que você o faz, e não importa quão bons sejam os argumentos, eles não o compreendem.

Se esse for o seu caso, não continue insistindo.

É uma batalha perdida.

Em vez disso, envolva-se com os poucos que o escutam (neste blog você encontrará muitos) e se concentre em trabalhar duro para mostre-os com resultados que você fez a coisa certa

Porque quando eles vêem que você tem mais tempo para eles, que você está mais feliz e de melhor humor, e acima de tudo que o dinheiro para comer todos os dias e que você não vive debaixo da ponte (ou que você ganha mais dinheiro do que antes) …

Então será quando eles começarem a acreditar em você.

O post Como conseguir que os outros te apoiem, confiem em você e ouçam suas ideias apareceu primeiro em Viver ao máximo.

Sites Relacionados:

Problemas no Casamento

Ingressos online com a Amazon Mechanical Turk

Charles Ong Sessão de perguntas e Respostas de junho de 2015

Como escrever um e-mail comercial profissional

O que torna o programa de afiliados Vimax o melhor programa de afiliados de pílula para aumento do pênis?

Enciclopédia Duden ortografia – código-bude.net

Mãos à obra! Tudo o que você precisa saber para criar um infoproduto em 7 dias sem morrer na tentativa

Que tal um Papo de Maquiagem?

Josan Jarque – Como se tornar um rentier e se aposentar aos 43 anos de idade com um emprego normal


Como você já sabe, meu objetivo com o Vivir al Máximo é ajudá-lo a criar uma vida que combina com você.

Uma vida que você escolheu conscientemente, e isso inclui tudo o que você considera importante e que te faz feliz.

Para a maioria dos meus leitores (e com certeza, para você também), vida ideal Está longe do que em nossa sociedade é considerado "normal", que é trabalhar por 40 anos em um trabalho que você odeia esperar pela aposentadoria.

Portanto, neste blog eu escrevo sobre as alternativas que existem para abandonar o caminho convencional e desfrutar de mais liberdade para viajar, dedicar-se ao que você ama ou passar mais tempo com seus entes queridos.

Nos últimos anos, compartilhei com vocês a história de pessoas normais, como você ou eu, que conseguiram criar uma vida para você de diferentes maneiras: criando páginas de nicho, blogs, iniciando seus próprios negócios, trabalhando como freelancers, reinventando-se profissionalmente …

E hoje gostaria de apresentar a alguém que decidiu seguir uma estratégia muito diferente: Josan Jarque.

Josan é um menino de Valência que teve uma vida normal.

Trabalhou em um banco de poupança de segunda a sexta-feira com um funcionário de folha de pagamento e nunca montou sua própria empresa ou estava interessado em negócios on-line.

No entanto, com um pouco de disciplina e seguindo uma estratégia que ele chama de "tornar-se um rentier", ele alcançou a liberdade financeira e se aposentou aos 43 anos de idade.

Desde então, ela tem se dedicado a viajar pelo mundo, colaborando com ONGs e escrevendo, sem ter que se preocupar com dinheiro ou ter que trabalhar.

Pouquíssimas pessoas estão conscientes de que o que Josan fez não é apenas possível, mas que está disponível para qualquer pessoa, por isso gravei com ele uma entrevista de quase duas horas em que conversamos sobre sua história, sobre a raça do rato. e como você também pode se tornar um rentier.

Se você pensou que a única maneira de ser financeiramente livre era criar um negócio e ganhar um pasto, essa conversa vai fazer você mudar de idéia 🙂

Aproveite!

Baixe a entrevista em MP3, para escutar no metrô, na academia ou quando sair correndo

Índice rápido

  • 0:00 – Apresentação
  • 1:23 – Live permanentemente no verão
  • 4:03 – O que é ser um rentier
  • 7:09 – Como deixar o emprego para não voltar, torne-se um rentier e viva sempre no verão
  • 10:47 – Como se organizar para começar a viver de aluguéis e alcançar a liberdade financeira
  • 13:45 – As razões pelas quais a maioria das pessoas não salva
  • 18:48 – O impulso de encontrar um caminho e obter liberdade financeira
  • 22:44 – Como decidir dar o salto e sair do trabalho
  • 27:21 – O último dia de trabalho antes da "aposentadoria"
  • 30:03 – Por que se livrar de sua propriedade foi uma das melhores decisões de sua vida
  • 35:31 – O dia a dia de um rentier
  • 38:14 – Quais são os desafios para alcançar a liberdade financeira e como superá-los?
  • 44:10 – A estratégia mais eficiente para se tornar rentista e alcançar a liberdade financeira
  • 48:05 – As diferentes possibilidades de investimento que existem
  • 54:18 – Como identificar as melhores empresas para investir
  • 55:56 – As melhores empresas para investir
  • 58:24 – O fator mais importante para escolher em qual empresa investir: a evolução do dividendo ao longo do tempo
  • 1:01:17 – É importante que as ações subam ou desçam?
  • 1:03:39 – Quanto tempo você precisa para viver das rendas?
  • 1:11:36 – Quanto tempo levou para Josan tornar-se um rentier
  • 1:12:18 – Vale a pena o sacrifício necessário para se tornar um rentier?
  • 1:18:19 – A liberdade financeira pode ser alcançada tendo uma família?
  • 1:22:14 – Os principais erros dos possíveis rentistas
  • 1:27:06 – Como as crises econômicas afetam os dividendos
  • 1:28:18 – O erro de tentar prever o futuro
  • 1:30:48 – Recursos para começar
  • 1:32:48 – Meta 2035
  • 1:36:20 – Os próximos planos de Josan
  • 1:37:24 – O livro de Josan: como se tornar um rentier
  • 1:40:49 – Como entrar em contato com Josan

Recursos que são mencionados na entrevista

  • Como se tornar um rentier, o livro de Josan Jarque
  • Pedra redonda enorme, o blog de Josan Jarque
  • Josan Jarque's portfólio
  • Livros por Gregorio Hernández
  • Cazadividendos
  • Bolsa de Valores para Investidores
  • Don Dividendo
  • Gerenciando Ativos
  • Pepe Peseta Patilla
  • Investir em dividendos
  • O monge paciente
  • Opinatron
  • Blog do Investidor
  • O Farmacêutico Ativo
  • Objetivo 2035

Calculadoras de independência financeira:

  • Don Dividendo
  • Invista no mercado de ações

O post Josan Jarque – Como se tornar um rentier e se aposentar aos 43 anos de idade tendo um trabalho normal apareceu em primeiro lugar em Living to the Maximum.

Artigos que devem ser lidos também:

Maquiando no Ano Novo

Como comprar hospedagem com BlueHost criar seu blog em minutos

Dominar Origens De Tráfego Pago Pt 1.

Diretrizes de postagem de convidados por Google: STOP Procurando por backlinks

 Estratégia de Marketing na Internet: os 7 Passos Padrão

Huawei Ideos Tablet S7 – revisão & sorteios

Como faturar até € 6300 em um mês, criando um blog a partir do zero, em um nicho hiperespecializado e com medo de morrer

O Fotógrafo e o Marketing

25 erros de SEO que destroem o seu SEO


Muita atenção: Este post é uma lista de erros que você pode cometer ou até mesmo estar comprometendo no momento com o seu site e que poderia arruinar seu posicionamento SEO no Google. Portanto, tome nota e ao mesmo tempo tenha seu site aberto para fazer as verificações e melhorias necessárias na hora.

Mesmo que você não saiba muito sobre SEO, não se preocupe. Vou explicar tudo de forma simples e prática para que você possa aplicar as correções passo a passo. Com este post eu quero ajudá-lo a entender o que estamos falando e então você pode facilmente resolvê-lo.

Alguns dos enganos ou aspectos que você deve ter em mente são muito fáceis de confirmar. Outros são menos comuns, mas você deve conhecê-los igualmente para evitar cair neles no futuro.

Em SEO, é tão importante tomar ações para posicionar como evitar erros

Quando você trabalha no SEO de um site, é muito importante agir para se posicionar de modo a evitar erros que possam penalizá-lo ou danificar seu posicionamento. Mas tenha em mente que nem tudo que te machuca tem que ser um penalidade. Às vezes há muita confusão sobre isso e há pessoas que pensam que é o mesmo, quando não é assim.

Um penalidade é uma punição imposta a você pelo Google por ter feito algo que você não deveria de acordo com os algoritmos que fazem as regras, como o panda, pinguim, etc. Um simples engano SEO é algo que pode estar prejudicando você, mesmo que não esteja diretamente relacionado a um determinado algoritmo do Google.

Então … Como saber se você está cometendo erros de SEO?

O problema de cometer enganos em SEO é que se você é penalizado ou perde muitas posições talvez a solução não seja tão fácil quanto remover o erro e é isso. Às vezes há um prejudicar Pode ser difícil de reparar ou pode dificultar ou atrasar sua estratégia de posicionamento. Portanto, é essencial ter claro quais erros você não deve cometer:

1. Duplicidade de conteúdo

O duplicidade de conteúdo pode estar com conteúdo externo ou com conteúdo interno.

Externo significa que você literalmente copiou ou plagiou textos de outros sites e os colocou no seu. Isso é algo que o Google persegue muito e que você deve evitar a todo custo. Não só para o Google, mas também para não ser riscado como um plagiador, o que poderia prejudicar seu prestígio entre a comunidade de usuários e criadores de conteúdo.

Interno é quando você tem textos que são os mesmos em uma boa proporção entre URLs diferentes do seu próprio site. Se o seu site tiver muitas páginas com os mesmos textos, o Google poderá considerar que não é necessário mostrar todos eles, pois eles não contribuem com nada novo, e isso significaria perder visibilidade no mecanismo de pesquisa.

Isso geralmente acontece quando você tem páginas indexadas de taxonomias, produtos com a mesma descrição, rodapés e siidebars com textos muito amplos, etc.

Como isso te machuca?

O Google analisa seu conteúdo por meio do algoritmo Panda, e a Panda não gosta de preencher a Internet com URLs que não fornecem nada original. Além disso, o conteúdo duplicado piora a experiência do usuário oferecendo textos iguais em seções diferentes, que podem ser desaprovadas pelo usuário.

Agora, sobre isso, há debate … o conteúdo duplicado penaliza? A verdade é que nem sempre, e também em igualdade de condições em projetos semelhantes, em alguns casos, e em outros não. Portanto, por que arriscar?

Como saber se você tem conteúdo duplicado?

Digite o domínio do seu site na ferramenta Siteliner para saber o conteúdo duplicado que você tem em todo o site e página por página.

Como resolver isso?

Modifique o conteúdo que coincida entre as páginas ou adicione mais texto para diminuir a correspondência, desindexe as taxonomias, diminua a quantidade de texto nas áreas de widgets, desindexe as páginas que geram duplicidade se não tiverem relevância ou potencial de posicionamento.

2. Links tóxicos de entrada

Neste ponto já devemos ter super claro que não podemos sair por aí comprando links sem avaliar completamente procedência e seu qualidade. Até um tempo atrás, muitos sites viviam na compra de links sistematicamente, mas o algoritmo Pinguim É cada vez mais preciso e pode penalizá-lo se você passar.

O tóxico ligado é aquele que vem de domínios penalizados, que enviam massivamente links para outros sites que estão em outros idiomas ou que trabalham em um idioma diferente, com textos âncora muito coincidentes ou iguais, de tópicos proibidos, como pornografia, apostas, medicamentos falsos, etc.

Como saber se você tem links tóxicos de entrada? Verifique seu site com ferramentas como o Ranksignals ou o Search Console e veja se há links suspeitos. Analise o conteúdo desses sites, veja se eles estão em outro idioma, olhe com cuidado em qual tópico eles trabalham, conte os links de saída caso você esteja enviando muitos links para cada URL e passe-os também para identificar quem eles ligam caso eles também sejam domínios suspeitos.

Como isso te machuca?

Você poderia ser penalizado pelo Algoritmo pinguim do Google.

Como saber se você tem links tóxicos?

Verifique seu perfil de link comece com ferramentas como Search Console, Ahrefs ou Ranksignals, e veja se há algumas que são suspeitas por seu nome estranho, idioma estrangeiro, assunto diferente ou suspeito (pornografia, drogas falsas, apostas) e número de links que enviam por URL para outros teias

Como resolver isso?

Com funcionalidade rejeitar do Search Console. Além disso, pare de comprar links em sites "ímpares".

3. Conteúdo Fino

Escreva pouco conteúdo nas suas páginas e entradas é algo que você deve evitar. Não só por causa desse dogma clássico de SEO que diz: "O Google quer que você escreva pelo menos 300 palavras para se posicionar".

Também por outro motivo importante: um conteúdo rico, que satisfaça a demanda do usuário por informações com relação à pesquisa que ele digitou, é um conteúdo que gera mais tempo permanecermenor rebote e, finalmente, um maior retenção do usuário.

O Google recomenda que você crie um conteúdo valioso, rico e exclusivo, com uma extensão suficiente para agregar valor aos usuários, que é, na verdade, o principal objetivo do Google: oferecer aos usuários o melhor conteúdo possível para cada intenção de pesquisa.


O Google valorizará o conteúdo exclusivo e enriquecido que tem tamanho suficiente para …
Clique para Tweet


Como isso te machuca?

Websites que têm muitas seções indexadas com pouco ou nenhum conteúdo valioso diluem suas autoridade entre muitas URLs, o que não é bom para a autoridade global do site. Além disso, eles forçam o Google a rastrear conteúdo irrelevante e, em sites muito grandes, podem representar um problema de orçamento de rastreamento.

Páginas com conteúdo escasso e irrelevante geralmente não atendem à demanda de informações do usuário, por isso são abandonadas antes e recebem menos links, compartilhamentos e até conversões.

Como saber se você tem conteúdo fino?

Observe a quantidade de conteúdo que você tem em suas seções e entradas e se eles não costumam alcançar ou 300 Cada palavra é que você está bem abaixo da quantidade necessária de texto para posicionar bem e satisfazer os usuários. Além disso, analise a qualidade e o valor real do seu conteúdo.

Verifique com o Google Analytics como o usuário interage com seu conteúdo. Se, em geral, há tempos de permanência baixos, muita rejeição e poucas visitas a páginas por sessão, você deve se perguntar se seu conteúdo é bom ou completo o suficiente.

Como resolver isso?

Consiga escrever textos mais longos e melhores, com mais coragem, mais epígrafes e cabeçalhos he desindexa todas aquelas páginas com pouco conteúdo que não têm relevância ou potencial para posicionar, como páginas de contatos que possuem apenas um mapa e forma e coisas assim.

Além disso, toda vez que você decidir trabalhar em uma palavra-chave, faça-a completamente, em vez de tentar sair de sintonia com qualquer texto. Pense bem o que o usuário realmente quer Você está inserindo uma consulta de pesquisa no Google e fornece todas as informações e o valor possível.

Ou seja, não trabalhe pensando em uma palavra-chave apenas para cada URL, mas na intenção da pesquisa global que possa satisfazer cada URL. Com o qual é melhor criar conteúdo completo, extenso e rico e com maneiras sinônimas e variadas de expressar a palavra-chave.

Definir os objetivos do plano de conteúdo4. Ausência de rótulos importantes (título, h1)

Como você bem sabe, o conteúdo na Internet está codificado na linguagem HTML. Dentro dessa linguagem, há rótulos que são mais importantes que outros para o Google.

Os dois rótulos mais importantes e que eles nunca devem perder em cada um dos seus URLs são:

  • Título: Diga ao Google título principal a partir desse URL. Você deve colocar um título por URL, não apenas um nível global da web. Nesse título, a palavra-chave deve ser sim ou sim. É o rótulo de SEO mais relevante. Se escreve assim: . A propósito, todos os CMS, como o WordPress e outros, devem colocá-lo por padrão no título, o que você escreve dentro da caixa de título no topo.
  • H1: É o rótulo de cabeçalho mais relevante. Em uma página ou entrada você pode ter h1, h2, h3, etc., e o que nunca deve estar faltando é o h1, já que é o próximo em relevância após o rótulo . Como no caso do título, o título principal que você escreve na caixa acima também deve ser colocado em h1.

Além dessas duas tags, não é ruim que você introduza outras tags que também sejam relevantes para o seu conteúdo e que você coloque sua palavra-chave ou palavras-chave relacionadas à intenção de busca principal em seu conteúdo (também tags, h3, h4) , h5, etc …).

Isso ajuda o Google a entender seu conteúdo e concede relevância ao que você coloca dentro desses rótulos, além de dar aos seus textos um aspecto visual muito mais hierárquico e escaneável.

Nota: a tag h mais importante é h1. O h2 é um pouco menos relevante e, portanto, com todos, em importância decrescente.

Como isso te machuca?

Se você não usa tags relevantes, o Google não consegue entender relevância das palavras-chave que você usa dentro delas. Ou seja, você estaria deixando de lado um dos elementos mais importantes para reforçar a relevância do seu conteúdo em torno das palavras-chave que você usa. Além disso, seus textos teriam uma aparência muito monótona e isso poderia prejudicar a retenção de usuários.

Como saber se você está perdendo rótulos importantes?

Deve haver um único título e um único h1 para cada URL do seu site. Se você quiser verificar no nível de código que essas tags estão aparecendo corretamente, vá para o seu site e clique no botão Direito> Ver código-fonte da página. Lá você pode usar o comando de busca Control ou CMD + F, para procurar por "title" e "h1" e ver se eles são e aparecem apenas uma vez.

Como resolver isso?

Em teoria, se você usa um bom CMS (como o WordPress) com um bom modelo e não tocou em nada estranho, todas as URLs do seu site (páginas, entradas, produtos, etc.) devem ser mostrando no código um título e um h1. Se não, pode ser porque você tem um modelo com o código otimizado para SEO ou, talvez, o desenvolvedor de sua empresa tenha feito um deslize e tenha saído da web sem tags relevantes. Nestes últimos dois casos, você tem queUse o código php.

Importante: Peça ajuda a um especialista antes de começar a jogar o código, se você não tiver muita ideia anterior.

5. Over-optimization da palavra-chave (keyword stuffing)

Não para escrever sua palavra-chave de maneira repetitivo e forçado em seus textos, você se posicionará melhor. Para escrever um bom texto SEO você não precisa colocar a palavra-chave novamente. Aqueles tempos distantes em que posicionar melhor tiveram que pôr a palavra-chave com calçadeira em cada parágrafo passaram, felizmente para o usuário que teve que ler textos hostis cheios de palavras repetidas. Agora isso não ajuda.

Além disso, se você exagerar ou otimizar demais, estará incorrendo no que conhecemos Recheio de palavras-chave E isso não gosta do Google porque se afasta da filosofia de escrever de forma orgânica pensando em tudo no valor que você oferece e em satisfazer o usuário.

Portanto, uma dica: sempre escreva de uma maneira natural, sem pensar muito em repetir suas palavras-chave aqui e ali. Use sinônimos e riqueza no uso da linguagem. O Google vai gostar mais … e o usuário também.


Dica #SEO: Escreva naturalmente e evite repetir e forçar demais suas palavras-chave
Clique para Tweet


Como isso te machuca?

Se o Google detectar um uso excessivo e palavra-chave forçada pode determinar que seu texto não tem qualidade real e não oferece uma semântica natural, o que poderia prejudicar seu posicionamento.

Como saber se você está repetindo a palavra-chave demais?

Com ferramentas gratuitas como SEO Yoast (plugin para WordPress) ou Keyword Density Checker, você pode facilmente verificar se você está fazendo Keyword Stuffing.

Como resolver isso?

Neste, como em muitos outros aspectos do SEO, existem teorias e opiniões diferentes. No entanto, podemos dar como uma porcentagem bastante confiável de aparência de palavra-chave não superior a 1,5% em relação ao total.

Além disso, é curioso ver que, quando você escreve um texto sem se preocupar em colocar as palavras-chave aqui e ali e o faz de maneira natural e fluida, a porcentagem de escrita da palavra-chave é geralmente em torno dessa proporção.

Portanto, analise seus textos e, se passar, reduza o número de palavras-chave que aparecem exatamente e procure sinônimos para enriquecer o texto para o Google e o usuário.

6. Palavras-chave incorretas

Um erro mais comum do que parece é se concentrar no palavras-chave o que você não deveria Se o seu objetivo de posicionamento for palavras-chave incorretas, tudo o que você faz no SEO do seu site cairá em ouvidos surdos, ou seja, você investirá tempo e recursos para não obter benefícios reais.

Quais são os erros típicos ao escolher palavras-chave?

  • Pensar que o único objetivo do posicionamento é o próprio nome de marca. Posicionar a marca pode ser interessante para os usuários que procuram você no Google para ver sua popularidade ou acessar seu website no caso de pesquisas com marca (aquelas que pesquisam sua marca no Google, mesmo que já conheçam o domínio). Mas isso não traz novos usuários em relação a uma necessidade de pesquisa, o que geralmente não é muito lucrativo.
  • Ir para as palavras-chave também genérico, especialmente no começo. Embora tenham mais pesquisas, as palavras-chave mais curtas ou genéricas tendem a ser mais competitivas, precisamente por causa disso. Portanto, se você é um projeto modesto e quer entrar para competir desde o início com os grandes do seu setor, talvez você trabalhe em vão por um longo tempo e acabe se desencorajando. Nesses casos, é melhor começar com palavras-chave longtail, ou seja, palavras-chave mais específicas que incluam mais termos, onde haja menos pessoas competindo e respondendo a uma necessidade de pesquisa mais específica.
  • Concentre-se nas palavras-chave que não têm buscas por mera intuição, sem fazer uma palavra-chave de pesquisa prévia. Embora você conheça muito bem seu setor ou sua profissão, sempre analise como os usuários pesquisam para encontrar os serviços ou o conteúdo que você oferece. Nem sempre é como você pensou. Um bom estudo de palavras-chave evita que você perca tempo com palavras-chave que ninguém está procurando.

Como isso te machuca?

Trabalhar palavras-chave incorretas em seu site é um problema importante crucial. Se você se concentrar nas palavras-chave erradas, todo o trabalho de criação de conteúdo e otimização de SEO que você fizer a seguir não será muito bom.

Como saber se uma Web está funcionando com palavras-chave incorretas?

Para obter uma conclusão confiável, você deve fazer uma Pesquisa de palavras-chaveh adequado No entanto, os sites que estão trabalhando mal as palavras-chave normalmente apresentam alguns pontos comuns facilmente identificáveis: título da página inicial apenas com marca, uso da principal palavra-chave do site em muitos URLs, concatenação de muitas palavras-chave diferentes no mesmo título, etc.

Como resolver isso?

Ponte a partir de agora para fazer um Pesquisa de palavras-chave completamente para o seu site. É o primeiro passo de qualquer estratégia de SEO e merece que dediquemos o tempo necessário até obtermos um bom número de palavras-chave para distribuí-las e atribuí-las entre seus URLs, aqueles que já existem e aqueles que você criará no futuro. Neste artigo você tem 20 ferramentas para fazer pesquisa de palavras-chave.

7. URLs indexados por engano

Nem todas as URLs de um site precisam aparecer no Google, ou seja, você não precisa indexar tudo. Páginas do site que têm pouco conteúdo ou são irrelevante, ou que eles não se concentram em nenhuma palavra-chave, pois o que eles oferecem não tem a intenção de pesquisar, você não deve indexá-los no Google. Nem aqueles que têm conteúdo plagiam de outros sites ou coincidem com outras URLs internas.

Por um lado, ter indexado páginas irrelevantes que não funcionam para o SEO força o Google a rastejar conteúdo que nunca vai se posicionar e faz você perder tempo rastreando em seu site, o que não é bom. Por outro, as páginas com conteúdo duplicar (por exemplo, chips de produtos semelhantes) também podem prejudicá-lo se o Google os indexar, como mencionei em uma seção anterior.

Além disso, há um problema muito típico quando se trabalha com um CMS como o WordPress. Modelos premium geralmente incluem conteúdo demonstração, isto é, páginas pré-projetadas e elementos de exemplos que você normalmente carrega ao lado do modelo para ver as possibilidades de design que ele inclui.

Esses conteúdos geralmente estão em inglês e já estão na página de vendas do modelo. Muitas vezes, por engano, você termina seu site e deixa todo o conteúdo indexado. Conteúdo que é duplicar e isso também é em outro idioma e nenhuma intenção de pesquisa funciona. Portanto, é super importante que, quando você terminar de projetar seu site, exclua imediatamente todo o conteúdo de demonstração para evitar problemas.

Como isso te machuca?

Conforme expliquei no início desta seção, as páginas com texto duplicado (por exemplo, páginas de aviso legal e lei de cookies) poderiam ser consideradas pelo Google como URLs irrelevantes, pois não fornecem conteúdo original, que não deve ser indexado. Além disso, não faz sentido indexar esse tipo de página, pois elas contribuem com um tema irrelevante para seus usuários

Ter indexado muitos URLs com conteúdo duplicado, irrelevante ou escasso pode (penalizar, nem sempre) penalizar essas URLs e também supostamente uma sobrecarga de rastreamento do Google e comprometer sua Orçamento de rastreamento.

Em outras palavras: Quais URLs você deveria indexar? A resposta é simples: apenas as páginas que eles satisfazem uma intenção de busca específica (ou seja, eles trabalham uma palavra-chave específica) e otimizar seu conteúdo para SEO.

Quais você não deve indexar? Todo o resto

Como saber se você tem URLs indexados por engano?

Vá para o Google e escreva "site: tudominio.com" (Nota: Não coloque como "tudominio.com", coloque o seu próprio). Abaixo, você verá um resumo bastante aproximado dos URLs do seu site indexados e exibidos no formato SERP do Google (caixa de resultados da pesquisa).

A partir de análise de indexação com o site:, faça uma revisão exaustiva de cada um dos URLs exibidos:

  • Existem páginas de taxonomia daquelas que estão cheias de entradas duplicadas no site ou vazias diretamente sem conteúdo? Desindéxalas.
  • Você tem a página de contato indexada e a página tem apenas um mapa, um formulário e um pouco de texto? Desindéxala (ou trabalhe nela uma palavra-chave e adicione conteúdo relevante e exclusivo).
  • As páginas de Aviso Legal, Lei dos Cookies, Condições Gerais, Política de Privacidade, etc. aparecem lá? Descarte-os também.

Como resolver isso?

Depois de ter feito a análise e anotado quais são os URLs que não devem aparecer nos resultados da pesquisa, você deve removê-los da indexação. Para fazer isso, você tem dois modos:

1 Se você trabalha em WordPress ou um CMS de qualidade semelhantevocê tem plugins, extensões ou módulos que permitem adicionar o atributo noindex a cada URL com um único clique.

2 Se você web é feita com código puro, você não tem escolha a não ser adicionar o tag robôs à mão, dentro do rótulo de cada URL que você precisa desindexar. A sintaxe é a seguinte: .

Dessa forma, na próxima vez que o Google rastrear esses URLs, você não deverá mostrá-los novamente como resultados de pesquisa.

8. URLs não indexados por engano

Apenas o oposto do anterior. Este erro consiste em não indexou as páginas relevantes e importantes para posicionar, por sua autoridade de página, para a qualidade de seu conteúdo ou para ser páginas importantes como casa ou casa e outras páginas principais do site.

Por que isso acontece? Pode ser 4 razões principalmente:

  • Você tem o site inteiro desindexado robots.txt. Você definiu Disallow: / para que o Google não indexe nada durante a fase de desenvolvimento do seu site e você tenha esquecido de removê-lo.
  • Você marcou o caixinha "Desencoraje os mecanismos de pesquisa a indexarem este site" em Configurações> Geral do seu WordPress.
  • Você tem o tag "Noindex" em certas páginas por engano, seja por código ou com o plugin SEO Yoast, dentro da caixa do plugin na parte inferior, na seção "Permitir que os mecanismos de busca mostrem esta entrada nos resultados?".
  • O conteúdo da página é irrelevante para o Google porque é muito fino (conteúdo fino) ou coincidente demais (duplicado) com outras URLs do site.

Como isso te machuca?

É óbvio. Não tendo indexado páginas relevantes do site está te levando a possibilidade de obter tráfego orgânico. Se você otimizou suas páginas para aparecer no Google o mais alto possível, não se esqueça de indexá-las para que os usuários possam encontrá-lo no mecanismo de pesquisa.

Como saber se você tem URLs não indexados por engano?

Vá para o Google e use o comando site: tudominio.com para ver o que é indexação e o que não é. Mesmo para ter dados mais precisos, faça a análise na parte de indexação do Search Console.

Como resolver isso?

Se o problema de indexação vem de conteúdo que não tem qualidade, é escasso ou duplicado, resolva-o quanto antes. Se o problema for porque você tem um rótulo noindex definido por engano, remova-o imediatamente do plug-in, se você usar um CMS ou removendo a tag noindex do robô do código, se o website tiver sido feito para medir.

9. Não otimize o CTR

Um erro típico e que tem uma solução fácil, é só uma questão de dedicar tempo e atenção. CTR são as siglas de Taxa de cliques, ou o que é o mesmo, a proporção de cliques para impressões dos seus resultados de pesquisa no Google (SERPs).

Atualmente, a CTR é um dos fatores decisivos de SEO. O percentual de usuários que clicam no seu resultado na frente do total de impressões disso no Google é algo que você deve melhorar a todo custo. Mas nem sempre é otimizado, pois seria conveniente devido à pressa ou não dar à CTR a importância que ela merece.

Alguns dos erros mais comuns ao construir seus SERPs (caixas de resultados de pesquisa no Google) são:

✖ Títulos que são cortados para serem muito extenso.

✖ Títulos sem palavra-chave.

✖ Títulos com pouca aparência de valor e mal escrito.

✖ Demais aparência comercial e marca em SERPs de conteúdo valioso.

✖ Objetivo pequenas descrições valiosas sem palavra-chave e sem dividir o valor do conteúdo.

✖ Não usar elementos visuais Destaque como emoticons e símbolos.

✖ Mostrar a data se o conteúdo for muito velho.

✖ Não usar conteúdo rico (rich snippets) quando o assunto permitir.

Como isso te machuca?

Não otimizar sua CTR não apenas reduz o número de cliques que você pode obter e, portanto, visitas o que você ganha pelo seu site. O CTR é um fator direto de SEO que influencia suas posições.

Como saber se você não tem uma CTR otimizada?

Veja como estão as caixas de resultados da sua pesquisa. Sim não se destaque na frente dos concorrentes, se os títulos não se engajam, se as meta descrições não incitam a clicar, enfim, se você trabalhou pouco ou nada, fica claro que você está perdendo tráfego potencial

Além disso, você pode analisar diretamente como suas taxas de CTR são se você usar a funcionalidade Search Analytics no Google Search Console. Se você tiver conteúdo em boas posições e tiver uma CTR baixa, ainda terá trabalho a fazer.

Como resolver isso?

Se você trabalha no WordPress como a maioria das pessoas, nada melhor do que usar o plugin SEO Yoast para ir para a caixa de edição abaixo de cada página e editar o título de SEO e a descrição meta. Além disso, você pode implementar técnicas de copywriting persuasivas destinadas a obter mais cliques. Outro elemento interessante que você pode implementar são as estrelas de avaliação, com um plugin gratuito como este.

Neste post, damos a você várias ações concretas e aplicáveis ​​para otimizar sua CTR e melhorar o SEO.


O CTR é um fator #SEO que influencia diretamente suas posições
Clique para Tweet


10. carregamento lento

Uma carga lenta é outro erro típico que pode prejudicar seu SEO e, no caso de uma carga extremamente lenta, a experiência do usuário em seu site. O Google quer que as webs carreguem rápido e sem interrupções, tanto na versão desktop quanto em dispositivos móveis. Para medir a velocidade de upload, você pode usar ferramentas como o GTMetrix, o Page Spaeed Insights ou o Pingdom Tools.

Idealmente, seu site carregará em menos de 2 segundos e faça anotações perto das letras A-B em ferramentas como o GTMetrix.

Quais são os erros que podem prejudicar sua velocidade de carregamento?

  • Imagens não otimizadas em largura e altura. Nunca carregue imagens maiores que o tamanho a ser exibido na página da web. Se você vai colocar uma imagem na web que mede 300px de largura, se você carregá-la para 1200px, está carregando desnecessariamente o peso. Para redimensionar as imagens para o tamanho correto, você pode usar ferramentas como Photoshop, Fotor, PicMonkey, Gimp ou qualquer editor de imagens.
  • Imagens não otimizadas em peso. Depois de ter as imagens no tamanho correto, você deve otimizar seu peso em kilobytes, sem perder a qualidade. Com ferramentas on-line como o Tinypng, você pode fazer isso com muita facilidade. Além disso, no WordPress você tem plugins como EWWW Image Optimizer ou WP Smush, que fazem isso automaticamente.
  • Muitos plugins ou extensões no seu gerenciador de conteúdo. Plugins facilitam a vida e permitem que você faça coisas maravilhosas, mas não exagere, pois você pode acabar sobrecarregando seu site com solicitações ou solicitações. Tente não ter mais de 10-15 plugins em seu site. Embora você pense que alguns são essenciais, verifique seu site com um senso crítico e otimizando o espírito e limpe aqueles que não são super necessários.
  • Pop ups e elementos em javascript. Esse tipo de elemento sobrecarrega o peso do seu site ao fazer solicitações ao servidor e inclui chamadas suficientes para arquivos javascript. Além disso, o Google não quer vê-los nem pintá-los em dispositivos móveis. E, quanto ao usuário, às vezes eles são invasivos demais. Outros elementos, como controles deslizantes, paralaxe, lightbox, megamenus e, em geral, qualquer tipo de efeito ou animação que use javascript também podem ser bastante lentos. Use-os com moderação.
  • Hospedagem Devagar Servidores baratos de má qualidade geralmente não são uma boa opção. Mesmo se você economizar um pouco de dinheiro, no final você acaba sofrendo. Não só por causa de seu carregamento lento, mas devido à sua pouca segurança e suporte insatisfatório. Sempre contrate uma hospedagem rápida e de qualidade, vale a pena.
  • Páginas também grande. Páginas com muito conteúdo tendem a desacelerar a carga, embora incluir texto suficiente também seja bom para SEO. A chave é encontrar o equilíbrio certo. Por outro lado, as páginas de navegação onepage, ou seja, aquelas com todas as seções em um único URL, tendem a acumular muito conteúdo em uma única página e dificultam a otimização da velocidade. Além disso, em muitos casos, embora nem todos, eles geralmente não são bons para SEO, pois reduzem o número de URLs e reduzem a possibilidade de trabalhar palavras-chave diferentes separadamente.

Como isso te machuca?

Uma carga excessivamente lenta pode afetar seu posicionamento e também experiencia do usuário, o que indiretamente também pode influenciar o grau de satisfação dos usuários quando eles interagem com o seu site.

Como saber se o seu site é muito lento?

Analise seu domínio com a ferramenta GTMetrix, que fornecerá métricas muito interessantes, como Pontuação de velocidade da página, (pontuação global para os parâmetros de desempenho que o Google considera importante) ou a velocidade de carregamento do site, bem como o peso da página e o número de solicitações externas e internas feitas pelo seu site para funcionar.

Quando você pode dizer que a web está lenta? Tente não ir até 3 segundos mais. E, a partir daí, otimize tudo o que puder.

Como resolver isso?

Otimizar o desempenho do seu site recebe o nome técnico de WPO (Otimização de desempenho da Web). Há muitas ações que você pode aplicar para melhorar a velocidade do seu site.

Las más comunes son la optimización del peso y el tamaño de las imágenes, el uso de un sistema de caché, la carga diferida de elementos de la web, la contratación de un plan de hosting rápido o la disminución de plugins y recursos externos que necesite tu web para funcionar, como hojas de estilo, archivos Javascript o códigos de inserción de elementos desde otras webs.

En este artículo de nuestro blog te contamos 4 acciones reales y aplicables para optimizar la velocidad de tu web.

11. URLs no optimizadas

Otro aspecto que no debes dejar pasar es la optimización de tus URLs y slugs, pues Google las tiene en cuenta. Revisa tu web y comprueba que:

  • Incluyen la expresión de búsqueda o palabras clave del contenido, separadas por guiones medios y sin preposiciones, conjunciones ni artículos, pues no son palabras relevantes. La estructura de tus slugs (la parte de la URL que aparece a la derecha del dominio a partir de la barra /) debería ser la siguiente: /expresion-clave. Con lo cual la URL completa quedaría así: dominio.com/expresion-clave. En este caso el slug es /expresion-clave.
  • Otra cuestión que debes analizar es el modo en que se construyen las carpetas o directorios en las URLs. Trata de no poner el slug de los contenidos más relevantes demasiado separados del dominio principal. No hagas cosas como esta: dominio.com/categoria/subcategoria/slug. Esto le estaría diciendo a Google que esa página que está al final no es muy relevante ya que está muy lejos del dominio principal, con lo cual se nutre menos de su traspaso de autoridad. Simplifica, ordena correctamente y con sentido, y trata de hacer URLs cortas siempre y cuando no tengas muchísimas URLs en tu web, pues en este caso sí que debes organizarlas por niveles para facilitar el rastreo por parte de Google.

¿Cómo te perjudica?

Usar URLs no optimizadas, excesivamente largas y llenas de palabras irrelevantes no es recomendable. Google prefiere URLs amigables y semánticas, ya que las entiende mejor. Y el usuario también.

¿Cómo saber si no tienes tus URLs optimizadas?

Para revisar fácilmente cómo son las URLs de una web, puedes usar el comando site: en Google y así podrás ver todas tus SERPs con sus URLs. También puedes usar herramientas como Screaming Frog. En este artículo te contamos más a fondo cómo funciona y qué cosas puedes hacer con Screaming Frog.

¿Cómo solucionarlo?

Cuando crees nuevas URLs (o en páginas ya existentes*) ve a tu editor de URLs (en cualquier CMS puedes hacerlo) y optimízalas. Deja sólo las keywords, separadas por guiones medios, y quita todo lo demás.

*SÚPER IMPORTANTE: Ojo, si cambias la URL de una página, aunque sólo sea una preposición, estás eliminando la anterior URL por completo. En ese caso, asegúrate de redireccionar la URL antigua a la nueva con una 301 permanente, para traspasar gran parte de la autoridad, tráfico y enlaces que tuviera la URL antigua hacia la nueva. Si no haces la redirección perderías todos estos valores y empezarías de 0, lo cual sería muy negativo para tu SEO.

12. No adaptar bien a responsive

A estas alturas ya no hay excusas. Todas las webs deben adaptarse a cualquier dispositivo a la perfección. Es posible que pienses que tu web es perfectamente responsive porque en las especificaciones de la plantilla que has comprado dice que lo es. Pero no te confíes.

Dale un repaso a fondo al comportamiento de la web en diferentes dispositivos móviles y tamaños de pantalla, pues en ocasiones puedes llevarte sorpresas. No todas las plantillas ajustan perfectamente su contenido a todos los dispositivos, y sería una pena que los usuarios de un determinado dispositivo no pudieran disfrutar de una experiencia usable en tu web por culpa de este aspecto.

Si encuentras errores en algún dispositivo, por ejemplo: un texto se sale de la pantalla, un botón es demasiado pequeño para clickarlo con facilidad, las entradas tienen el texto muy pequeño e ilegible, etc… ¿Cómo solucionarlo?

  • Si la plantilla se encuentra dentro del periodo de soporte, escribe a los desarrolladores del tema notificándoles la incidencia y pidiéndoles una solución. Ellos deben pulir su producto de la mejor manera posible, y en muchas ocasiones es el feedback de los usuarios lo que les permite mejorarla poco a poco.
  • Si usas WordPress, tienes plugins como WP Touch que te permiten tocar algunos elementos y hacerlos responsive, aunque no todos, con lo cual te sirve para pequeños retoques de textos y alguna cosa más.
  • Otra opción es que edites tú mismo el código CSS de tu plantilla y adaptes a la perfección cada elemento en cada rango de pantalla. Tocar CSS no es muy difícil, pero requiere un poco de conocimiento. Por ello, he preparado un artículo donde te explico cómo puedes editar con CSS diversos aspectos básicos y avanzados en tu plantilla e incluso personalizar la apariencia responsive de tu web con media queries de CSS.

¿Cómo te perjudica?

Google ya dijo hace tiempo que las webs deben ofrecer un contenido adaptable a todos los dispositivos. De no respetar esta premisa, podrías ver perjudicadas tus posiciones. Además, como sucede también en otros factores, no se trata únicamente de Google, sino de los usuarios.

¿Cómo interactúan los usuarios con contenidos que no se adaptan a su dispositivo? Suelen marcharse antes, lo cual afecta negativamente al tiempo medio de permanencia en tu web, y es muy posible que decidan salir sin interactuar con tu web, lo cual aumentaría la tasa de rebote.

Y, además, no olvides que el SEO sirve para traer tráfico a tu sitio y que el tráfico debe ser rentabilizado al máximo. Los usuarios suelen realizar menos acciones rentables en una web que no les ofrece un contenido adaptado correctamente. Es decir, piensa en la conversión.

¿Cómo saber si tu web no es responsive?

Muy sencillo: basta con que abras tu web en diferentes dispositivos y observes qué sucede. Si el contenido no se adapta verticalmente y excede la pantalla por los lados obligándote a navegar lateralmente, si los botones y los textos se ven demasiado pequeños, si la web parece la misma que ves en la pantalla de escritorio, es que tu sitio no es responsive.

Aparte de analizarlo directamente en cada dispositivo, y para que no tengas que comprártelos todos, puedes usar la herramienta gratuita Responsive Design Checker para simular cómo se vería tu web en diferentes dispositivos.

¿Cómo solucionarlo?

En teoría, prácticamente todas las plantillas que uses para diseñar tu web son responsive. Aun así, harías bien en analizar cómo de responsive es la plantilla que tienes pensado adquirir, ya que no todas están igual de optimizadas y resulta evidente que algunas se adaptan mejor que otras.

Si necesitas ajustar aún más las versiones responsive de tu web, puedes hacerlo mediante código CSS, con las funciones Media Queries. En este artículo tutorial de CSS te explico cómo aplicar perfectamente estas funciones de código en tu web de cara a la responsividad avanzada.

En el caso de que tu web esté hecha a medida con código puro, es decir, no use un gestor de contenidos como WordPress o similares, no te queda otra que tocar directamente el código CSS como te explico más arriba. El artículo está escrito paso a paso y con la finalidad de resultas sencillo de entender. No obstante, si ves que te resulta muy complicado, pide ayuda a un desarrollador.

Estrategia Plan de Contenidos Blog13. No establecer dominio preferido

Esto es algo que no debería pasar bajo ningún concepto y de hecho no pasa mucho, pero a veces sucede en algunos hostings no muy buenos o cuando los técnicos de tu web te han hecho mal la gestión del dominio. Esto puede ser bastante dañino para tu posicionamiento.

Si tienes tu web en la versión www y también la tienes en la versión sin www., estarías mostrando el mismo contenido absolutamente igual en dos URLs diferentes, lo cual sería un contenido duplicado de libro.

Por ello, es esencial que en tu hosting tengas establecida la versión preferente o canonicalizada de tu dominio, y que además se haga una redirección de una versión a otra de manera automática.

¿Cómo te perjudica?

En el caso de no redireccionar correctamente tus versiones de dominio, podrías estar cayendo en un contenido duplicado de manual, al tener la web completamente replicada como un espejo en las diferentes versiones.

¿Cómo saber si no tienes dominio preferido correctamente redireccionado?

Pon en tu navegador la dirección de tu web con www. y luego ponla sin www, es decir, sólo el dominio.com. Si en ambos casos la URL se queda como está, sin redireccionarse una a otra, estás cayendo en este error y debes solucionarlo cuanto antes.

¿Cómo solucionarlo?

Habla con el hosting y que te lo hagan ellos. En hostings buenos el soporte te ayuda en todo lo posible y te solucionan este tipo de cuestiones técnicas avanzadas.

Si no es el caso de tu hosting, entonces hazlo tú mismo, editando el archivo .htaccess que se encuentra en la raíz de tu web en el hosting, dentro de los archivos y carpetas del sitio. Puedes hacerlo mediante el administrador de archivos del hosting o via FTP con herramientas como Filezilla. Si en la raíz de tus archivos web no encuentras este archivo, asegúrate de poner en mostrar los archivos ocultos.

Una vez dentro del archivo .htaccess, para hacer que la versión www redireccione de manera automática a la versión de sólo dominio sin www, añade lo siguiente:

RewriteEngine On RewriteCond %HTTP_HOST ^www.tudominio.com [NC] RewriteRule ^(.*)$ http://tudominio.com/$1 [L,R=301]

Muy importante: No coloques esta expresión dentro de otra, asegúrate de ponerla separada para que no afecte a otras funciones del sitio.

14. No tener https

La versión segura de la URL (SSL) es algo que deberías tener ya funcionando en tu sitio. No solo porque Google ya lo recomiendo, sino por evitar que los usuarios de tu web puedan marcharse al comprobar que tu sitio no es seguro, lo cual podría bajarte el tiempo medio de permanencia y aumentar la tasa de rebote, además de perjudicar tus objetivos de conversión debido a la inseguridad del sitio.

A medida que los navegadores empiezan a mostrar la ausencia de SSL de forma más patente, los usuarios van siendo cada vez más conscientes. Además, en una web donde se realizan transacciones, hay que instalarlo ya.

¿Cómo saber si tienes https o no? En el navegador, mira arriba en la barra de direcciones donde está escrito tu dominio y observa si incluye la s en el protocolo http de este modo: https://dominio.com. Además, observa si hay iconos o mensajes del navegador indicando que el sitio no es seguro.

¿Cómo solucionarlo? En los hostings profesionales, instalar el https suele ser sencillo, incluso en algunos ya viene incluido gratis en el pack básico. Basta con ejecutar la funcionalidad o ponerte en contacto con el equipo de soporte del servidor para que te lo pongan a funcionar.

¿Cómo te perjudica?

Google ya dijo hace un tiempo que la seguridad en internet es una prioridad. Puedes leerlo aquí. Por tanto, no tener el protocolo https en tu dominio, aunque no te penalice directamente, sí es algo que a Google no le gusta demasiado. Así que, ¿por qué arriesgarte?

Además, a medida que los navegadores van mostrando de manera más visible y evidente que una web no tiene SSL, puede llegar a convertirse en un factor disuasorio para algunos usuarios, que podrían abandonar tu sitio por la inseguridad manifiesta que ofrece, lo cual afectaría a la permanencia y al rebote.

¿Cómo saber si no tienes https?

Muy fácil: mira en la barra de direcciones del navegador y observa si tu dominio incluye protocolo https o http. Si tu navegador no muestra los protocolos, copia el dominio directamente desde la barra del navegador y luego pégalo en cualquier otro lugar para ver si incluye https o no.

¿Cómo solucionarlo?

Habla con tu servidor web para que te lo habiliten. Algunos hostings lo incluyen en el plan contratado y sólo es cuestión de solicitarlo. Otros hostings te cobran este servicio aparte, aunque no suele ser muy caro.


No tener la versión segura de tu web puede perjudicar a tu #SEO. Descubre cómo solucionarlo
Click To Tweet


15. Enlaces masivos con mismo anchor text

A medida que Google ha ido refinando su algoritmo Penguin, va quedando menos margen para cometer torpezas y correr riesgos en la compra de enlaces y en el resto de estrategias de linkbuilding.

Un error típico cuando compras enlaces o haces guest blogging o, en definitiva, fuerzas de alguna manera la entrada de enlaces a tu sitio web, es tender a usar siempre el mismo anchor text o muy parecidos, con palabra clave precisa o con marca + palabra clave. Esto a priori no tendría por qué ser malo, de hecho es muy bueno que los anchor texts de los backlinks que apuntan a tu página incluyan keywords.

El problema es cuando usas todo el tiempo el mismo o muy parecidos, y tienen una estructura muy similar, con marca + palabra clave. Esto es tan idílico y poco común que Google puede sospechar que existe un patrón de enlazado no natural, lo cual podría llevarle a penalizar tu sitio. Ten en cuenta que en general, cuando te enlazan de manera natural, en muchas ocasiones ponen sólo tu nombre de marca o palabras sin keyword en el anchor text, y esto Google lo sabe.

¿Cómo te perjudica?

Google te puede penalizar mediante el algoritmo Penguin si detecta un perfil de enlaces entrantes (o salientes) en el que exista una coincidencia masiva de anchor texts.

¿Cómo saber si tienes perfil de enlaces con anchors masivos?

Hay un montón de herramientas gratuitas para analizar enlaces y anchors. Una muy interesante es el Backlink Explorer de Cognitive SEO. También las hay de pago como Ahrefs, Semrush, Sistrix, etc. Revisa tu dominio con alguna de estas herramientas y obtén tus conclusiones.

Aparte de usar herramientas, tú mismo también deberías saber más o menos si sueles comprar enlaces con anchors iguales de manera masiva, o si los colocas hacia otras webs. Mucho ojo con esto.

¿Cómo solucionarlo?

Si los enlaces entrantes son buenos, habla con quien te los ha puesto para que varíe el anchor text. Si son enlaces tóxicos o tienen apariencia sospechosa, usa inmediatamente la herramienta Disavow de Google.

Si se trata de enlaces salientes desde tu web, simplemente ve y cámbialos,. Emplea siempre palabras diferentes y variadas para colocar tus enlaces, sobre todo en URLs en las que saques muchos enlaces hacia otros sitios web.

16. Poco enlazado interno

El enlazado interno es un factor importante para optimizar el SEO de tu sitio. Por tanto, no optimizar el enlazado interno puede perjudicar tu posicionamiento.

Los enlaces internos ayudan, por un lado, al traspaso de autoridad de unas URLs a otras. Por otro, favorecen el rastreo de tu sitio, ya que Google recorre las URLs saltando de unas a otras, es decir, siguiendo el rastro de enlaces (siempre que sean enlaces follow y las URLs no estén en disallow de robots).

Además, los enlaces internos te permiten aprovechar el envío de autoridad interna mediante los anchor texts con palabras clave que trabajan las páginas de destino. Además, un buen enlazado interno a contenidos relevantes ayuda a bajar la tasa de rebote y facilita la retención de usuario y el número de páginas vistas.


Un buen enlazado interno puede ayudar a bajar la tasa de rebote #SEO
Click To Tweet


¿Cómo te perjudica?

Si tienes un enlazado interno insuficiente, puede que afecte al rastreo de tu web por parte de Google y a la transmisión de autoridad interna de tus URLs. Además, los enlaces amplían y contextualizan el contenido para el usuario, lo cual puede beneficiar a su retención y a bajar la tasa de rebote.

¿Cómo saber si tienes poco enlazado interno?

Puedes analizarlo directamente en la herramienta de Enlaces Internos de Google Search Console. Ahí puedes observar cuáles son las URLs de tu sitio más enlazadas internamente y desde qué URLs.

¿Cómo solucionarlo?

Enlaza, enlaza y enlaza todo el rato y siempre que puedas amplia información para satisfacer más y mejor al usuario.

17. No optimizar la experiencia de usuario

La experiencia de usuario, es decir, el modo en que los usuarios interactúan con tu sitio, es un aspecto importante que no puedes dejar de lado. La experiencia de usuario comprende conceptos tales como la usabilidad del sitio, la legibilidad, la facilidad para realizar acciones en la web, el entendimiento sencillo de todo el proceso de conversión, etc.

Si no trabajas la experiencia de usuario, estás cometiendo un error. No es que a Google no le gusten los sitios que no optimizan la experiencia de usuario, en este caso es el mismo usuario el que te “penaliza” mediante su comportamiento dentro del sitio. Si tenemos en cuenta que para Google cada vez son más importantes las señales de usuario (tiempo de permanencia, rebote, CTR, etc) a la hora de rankear los sitios, este es un aspecto que no puedes dejar de lado.

Por ejemplo, un pop up que sale demasiado pronto e interrumpe la navegación del usuario en tu sitio, o que en dispositivos móviles ocupa toda la pantalla y no se puede cerrar fácilmente, frustrando la experiencia del usuario y llevándole a abandonar tu web de manera prematura.

El SEO se hace para ser relevantes de cara a las personas, que son las que consumen tu contenido, a pesar de que sea Google el que decide los criterios de rankeo. Por tanto, si no le gustas al usuario, no le gustas a Google. Tenlo muy presente.


La experiencia del usuario es clave: Si no le gustas al usuario, no le gustas a Google #SEO
Click To Tweet


¿Cómo te perjudica?

Una web que no optimiza la experiencia de usuario puede acarrear un empeoramiento de las señales de navegación del usuario dentro del sitio. Es decir, puede bajar el tiempo medio de permanencia y aumentar la tasa de rebote. Esto perjudica al SEO.

¿Cómo saber si la experiencia de usuario en tu sitio no es buena?

Puedes analizar métricas de tráfico, permanencia y rebote en función de los diseños implementados. También puedes monitorizar la navegación del usuario con mapas de calor y grabaciones. Aquí te dejo una herramienta para realizar estos análisis exhaustivos.

Puedes además realizar sondeos a una muestra significativa de tus usuarios para recibir feedback sobre su experiencia en el sitio.

¿Cómo solucionarlo?

Lo mejor que puedes hacer es medir constantemente el grau de satisfação de los usuarios en tu web, hasta que consigas ofrecerles la mejor experiencia posible.

18. Canibalización

Un error SEO que sucede a menudo y que te puede perjudicar bastante es el de la canibalización. Hablamos de penalización cuando tienes más de una URL para una única keyword o intención de búsqueda, de modo que dispersas la autoridad entre una o más URLs y compites contra ti mismo con tus propias URLs.

Te lo explico más sencillo con un ejemplo: tienes una entrada que compite por la keyword “Guía para aprender SEO” y creas otra nueva que trabaja la misma keyword, o incluso, una diferente pero que responde a la misma intención de búsqueda, como por ejemplo: “Manual para aprender SEO”.

Si haces esto, Google no sabe muy bien cuál es la URL de tu sitio que tiene la máxima relevancia para esta intención de búsqueda, de manera que pierdes competitividad para esa query y quizá no consigas posicionar bien ninguna de ellas.

Además, toda la autoridad, los enlaces, compartidos, etc., que van ganando estas URLs, se dispersan entre todas ella en lugar de tenerlo todo en una sola URL que sea super competitiva y que pueda aspirar a llegar arriba en Google.

Es un error que trabajes la misma keyword en todas tus URLs. Esto no te hace globalmente más fuerte para esa keyword.

Recuerda: 1 URL = 1 intención de búsqueda o keyword.

¿Cómo te perjudica?

Dispersar la autoridad para tus keywords entre diferentes URLs es la peor estrategia posible. Este tipo de errores acaban por perjudicar bastante el posicionamiento. A Google debes dejarle muy clara la intencionalidad de trabajar una intención de búsqueda diferente por cada URL, o es posible que acabe por no saber qué URL debe mostrar para determinadas búsquedas.

¿Cómo saber si tienes canibalización?

Por un lado, analiza tus contenidos de manera global y trata de agruparlos por intención de búsqueda. Si dos artículos ofrecen un contenido que satisface la misma intención de búsqueda del usuario, ¿por qué ponerlos por separado en lugar de unir ambos contenidos en uno solo para así ofrecer aún más valor?

Aparte de esto, herramientas como Sistrix permiten saber rápidamente si tienes URLs canibalizadas que compiten entre sí.

¿Cómo solucionarlo?

Lo primero, antes de cometer errores, planejar. Crea un plan de contenidos y programa la publicación de páginas y entradas en torno a keywords diferenciadas.

En segundo lugar, optimiza lo que ya existe. Si ves que hay dos o más URLs compitiendo por la misma keyword o intención de búsqueda, agrúpalas en una y trata de crear páginas de mucho valor que ofrecen absolutamente todo lo que el usuario pudiera necesitar para satisfacer su demanda de información. En ocasiones, hay URLs canibalizadoras que ni siquiera tienen contenido. En ese caso, basta con que las desindexes.

rendimiento seo19. No tener Sitemaps

El archivo Sitemaps ayuda al rastreo y a la indexación por parte de Google. Es por tanto un archivo importante para optimizar tu SEO y no tenerlo no es lo más recomendable.

Este archivo le dice a Google cuáles son las URLs relevantes de tu sitio y que quieres indexar sí o sí en el buscador. Tener Sitemaps ayuda a mejorar la indexación general del sitio, y a que Google entienda bien el contexto de las URLs que estás tratando de indexar.

¿Cómo te perjudica?

La ausencia de archivo Sitemaps te puede generar problemas de indexación lenta o incluso contenidos que no consigues indexar, con el consiguiente perjuicio de cara al SEO.

¿Cómo saber si tienes Sitemaps o no?

Con la herramienta gratuita Sitemap Test puedes ver rápidamente si tu web tiene disponible un Sitemaps o no. Además, si tu web está en WordPress con SEO Yoast, puedes probar directamente a poner en el navegador www.tudominio.com/sitemap_index.xml, pues es en esta dirección donde se alojan los sitemaps.

¿Cómo solucionarlo?

Si no tienes Sitemaps, puedes crearlo con SEO Yoast (en WordPress) o usar un Sitemaps Generator y subir después el archivo a la raíz de tu hosting.

20. No revisar y arreglar los 404

Los errores 404 son todas esas URLs dentro de tu sitio que eles não são. Por quê? Tal vez porque se ha cambiado la URL, se ha borrado la página o porque alguien te ha enlazado mal.

¿Cómo te perjudica?

Si no revisas periódicamente los errores 404 de tu web puedes estar perdiendo tráfico a zonas relevantes del sitio, pues los usuarios llegan a páginas que ya no existen en lugar de ser redireccionados al lugar correcto. Y no sólo compromete al tráfico, también podrías estar perjudicando la eficiencia de rastreo ya que Google pierde tiempo rastreando estas 404.

¿Cómo saber si tienes errores 404?

Lo puedes analizar en la Search Console, dentro de Errores de Rastreo, y también con Screaming Frog. Esta herramienta además te indica las páginas que vas poniendo con redirección 301 para que puedas ir viendo los 404 ya solucionados.

¿Cómo solucionarlo?

Un error 404 se soluciona del siguiente modo, según sea el caso:

  1. Si es una página que ha cambiado de URL, redirecciona con 301 de la antigua a la nueva. Aquí tienes un plugin gratuito para hacer redirecciones 301.
  2. Si la URL 404 no te suena de nada y no tienes ni idea de a dónde redireccionarla, hazlo por defecto a la home del sitio.
  3. Si es un 404 que no proviene de ninguna URL real, sino que ha sido generada dinámicamente y no tiene relevancia, no es necesario que hagas nada.

amp21. Enlaces salientes rotos

Enlaces rotos son enlaces salientes desde tu sitio a otras webs que no funcionan o que han borrado el contenido o cambiado la URL. Tener muchos de estos puede suponer un problema.

El motivo: Google rastrea los enlaces de tu web y en ello pierde tiempo de rastreo. Obligar al buscador a gastar recursos de Crawl Budget en pasar por todos estos enlaces inservibles no tiene ningún sentido y podría hacer que Google no llegue a rastrear o le cueste indexar algunas de tus URLs.

Además, de cara a la experiencia de usuario, los enlaces rotos son una molestia para el usuario que hace click y además denotan falta de optimización de un sitio web.

¿Cómo te perjudica?

Peor eficiencia de rastreo y peor experiencia de usuario. Esto puede afectar al Crawl Budget, sobre todo cuando son muchos los enlaces rotos que tienes en tu sitio web. Además, un contenido poco optimizado y revisado, con enlaces salientes rotos, puede ser percibido por el usuario como un contenido poco actual y poco útil, lo cual puede perjudicar el tiempo de permanencia, rebote y la apariencia de valor del contenido.

¿Cómo saber si tienes enlaces salientes rotos?

Muy sencillo. Introduce tu dominio en esta herramienta, y ve detectando y solucionando los errores que encuentres.

¿Cómo solucionarlo?

En este caso no te queda otra que ir solucionando los enlaces uno a uno, enlazando bien, buscando alternativas a los enlaces de webs que ya no existen, o directamente quitando el enlace. No obstante, si trabajas en WordPress tienes un plugin muy útil que te facilita la tarea un montón, ya que además de detectar los enlaces rotos te lleva directamente a cada uno de ellos para que los soluciones rápidamente.

22. No usar etiquetas sociales

¿Las redes sociales influyen en el SEO? No se puede decir que influyan de manera directa, pero sí pueden ser un factor de influencia correlativa.

Es decir, no por tener más seguidores vas a posicionar mejor tus contenidos, es obvio. Más bien, si tienes comunidades de usuarios activos y bien segmentados por intereses, cuando publicas desde tus perfiles sociales puedes lograr enviar tráfico a tu sitio, siempre y cuando el contenido que publicas tenga valor para los usuarios.

Por tanto, es importante que optimices al máximo el modo en que tus URLs aparecen en las redes sociales para aumentar los clicks que generan hacia tu web. Y esto se puede optimizar mediante etiquetas de código HTML.

¿Cómo te perjudica?

No optimizar el modo en que tu contenido se muestra en redes es renunciar en parte al potencial de tráfico que puedes lograr desde ellas. Aunque las redes sociales no influyen en el SEO de manera directa, suman tráfico a tu web, sobre todo al principio cuando aún no has indexado o posicionado tus contenidos en Google.

¿Cómo saber si no tienes etiquetas sociales?

Revisa si las cajitas de tus contenidos compartidos en redes muestran la imagen que quieres mostrar, normalmente la imagen principal o de cabecera. Además, observa si el título y la descripción aparecen de manera correcta.

Aparte de esto, puedes analizar el código de tu web (botón derecho > Ver código fuente de la página). En la parte de código puedes hacer una búsqueda con Control + F (en PC) o Comando + F (en Mac) y ver si aparecen y están rellenas las etiquetas sociales. Sobre todo, revisa que aparezcan rellenos los campos de título, descripción e imagen, ya que son los más visibles y decisivos para motivar el click de los usuarios.

¿Cómo solucionarlo?

Tienes dos opciones. Si tu web está hecha en WordPress, una de las mejores soluciones es usar el plugin Yoast SEO, que te permite añadir las etiquetas sociales en la sección Social.

Si tu web está hecha a medida con código puro, tienes que añadir estas etiquetas a mano dentro de la etiqueta de cabecera

Para Facebook, Linkedin y Google Plus:



Para Twitter:




23. Hacer Cloaking

Cloaking es una antigua técnica blackhat consistente en tratar de engañar al buscador y al usuario, como por ejemplo: mostrando un contenido al usuario y otro diferente a los bots que rastrean. Si haces este tipo de técnicas, muy posiblemente serás penalizado por Google, por tanto mejor no dedicarse a hacer este tipo de trampas, sobre todo si no eres un SEO muy experimentado.

Algunos ejemplos de blackhat:

  • Poner texto con el mismo color de fondo o fuera de la pantalla para que Google lo indexe pero el usuario no lo vea.
  • Mostrar un contenido u otro según la ip del usuario.
  • Realizar redirecciones múltiples para que al final el usuario acabe viendo un contenido diferente al que esperaba.
  • Insertar contenido de otras webs para el usuario y tratar de que el buscador indexe otro contenido camuflado.

¿Cómo te perjudica?

Este tipo de técnicas puede que hubieran funcionado en el pasado, pero hoy no. Google ha aprendido a entender mejor el contexto de rastreo y puede detectar perfectamente si estamos tratando de engañarle, o si la versión rastreadas para el bot y la versión para el usuario son diferentes.

¿Cómo saber si estás haciendo cloaking?

Si el SEO de tu web lo gestionas tú mismo, no hay duda. Si tienes contratado a un especialista y hace tiempo que estás empeorando en posiciones y visitas, tal vez haya llevado a cabo alguna práctica extrema que pueda haberte penalizado. Nunca dejes tu proyecto totalmente en manos de otra persona si no es de total confianza, y siempre pídele un status de lo que hace en tu sitio web.

¿Cómo solucionarlo?

Dejando de hacerlo, es decir, quitando de la web todos los códigos y trampas destinadas a posicionar engañando al buscador y al usuario. Si has tenido la mala suerte de llevarte una penalización por este motivo, aunque ya hayas limpiado tu web nada te asegura que vuelvas a recuperar posiciones. Por tanto, (opinión personal) mejor hacer un SEO responsable y centrado en el valor real de cara a conseguir retención del usuario, enlaces y CTR.

24. Contenido demasiado comercial y con poco valor

Lo he visto a menudo en mi trabajo como SEO, aunque hoy en día por suerte menos. Clientes que te dicen que hacer un blog no funciona y cuando echas un vistazo al contenido que hacen descubres que están intentando vender con los posts en lugar de centrarse en aportar valor a los usuarios para atraer visitas y retenerles en el sitio.

Un blog de empresa orientado a posicionar no sirve para contar las últimas novedades de tu empresa que no interesan a tus usuarios. Un blog no sirve para vender productos (para eso está la tienda). Un blog tampoco sirve para contar lo primero que se te viene a la cabeza. Hay que realizar un análisis sobre qué queremos conseguir, quién es el target y qué le interesa a ese target. A partir de ahí, haremos una keyword research y crearemos un plan de contenidos calendarizado.

Si tu blog no atrae visitas orgánicas ni desde redes sociales, ni tampoco es enlazado por otros usuarios, ni genera un tiempo medio de permanencia aceptable, plantéate por qué.

¿Cómo te perjudica?

Si no ofreces contenido de valor que interese realmente a los usuarios, o que les ayuda o les aporta de alguna manera, no vas a conseguir atraerles o retenerles en tu sitio, perjudicando de este modo los aspectos SEO relacionados con la interacción del usuario: CTR, tiempo de permanencia y rebote. Por no hablar de la importancia de ofrecer buen contenido para crear comunidad y favorecer la conversión.

Además, si en tu web sólo trabajas keywords comerciales, es decir, las que hacen mención a productos o servicios, estás dejando de lado toda esa gran cantidad de keywords informacionales que posiblemente tengan volúmenes de búsqueda incluso superiores a las transaccionales.

No todos los usuarios que buscan en Internet tienen claro lo que quieren comprar en el momento de realizar la búsqueda, sino que empiezan informándose y refinando la búsqueda a medida que van aprendiendo y contextualizando lo que realmente necesitan. ¿Por qué no ofrecer contenidos para atraer a esos usuarios desde el principio del proceso? En el mejor de los casos les venderás tu servicio o producto, y en el peor habrás conseguido un tráfico muy valioso.

¿Cómo saber si estás haciendo contenido con poco valor?

Una web que no ofrece valor para atraer a los usuarios tiene una serie de rasgos muy identificables:

  • No hay mucho tráfico en el blog y tampoco comentarios.
  • Las entradas no son compartidas casi nunca.
  • Las entradas no son enlazadas de manera natural.
  • El contenido no genera casi interacciones en redes.
  • Los títulos de los artículos son poco atractivos y hablan de cuestiones internas de la empresa.
  • Las imágenes de cabecera de los artículos son de baixa qualidade, copiadas de otros sitios o no tienen mucho que ver con el contenido.
  • No se optimizan las SERPs y no son muy clickadas en Google (bajo CTR).
  • La apariencia interior de las entradas es poco atractiva, con texto en bruto que no jerarquiza por tamaños, poco uso de imagen y vídeo, poca extensión.
  • Las entradas se limitan a replicar noticias del sector sin aportar mucho más
  • Se usan las entradas para vender directamente los productos y servicios como si fueran un catálogo.

¿Cómo solucionarlo?

Crear un sitio web relevante para los usuarios no es flor de un día. Requiere primero ser honestos y críticos con la propia línea editorial de la empresa, y valorar si realmente lo que estamos publicando interesa a la gente. Saber esto es más fácil de lo que parece: la gente demuestra qué cosas le interesan realmente cuando introducen sus expresiones de búsqueda en el buscador.

Por tanto, a partir de hacer una keyword research a fondo y la creación de un plan de contenidos adecuado, hay que empezar a escribir contenido realmente relevante. Contenido que interesa a los usuarios porque les soluciona un problema relacionado con el servicio que ofreces, o porque les entretiene, les divierte, les causa curiosidad o les hace sentir parte de una comunidad.

En el caso de que ya tengas un blog lleno de contenido poco relevante, te recomiendo que hagas agrupación de contenidos, es decir, que agrupes por URLs todos los artículos que aportan algo de valor y no funcionaban por sí solos o que trabajaban una intención de búsqueda similar. Las URLs que elimines (si tenían algo de tráfico, impacto en redes, enlazado o algún tipo de relevancia) las puedes redirecionar todas al artículo principal.

Si el contenido te lo va a hacer alguien externo por encargo, es importante que le hagas entender la importancia crucial de hacer un contenido realmente relevante. No se trata sólo de coger la keyword, ponerla en el título y ponerse a escribir. Tampoco se trata de escribir artículos casi a diario por el mero hecho de publicar mucho, sin atender a la calidad de lo que se publica. Se trata de aportar valor.


No se trata de publicar mucho, si no de publicar contenido realmente relevante #SEO
Click To Tweet


rendimiento seo25. No trazar un plan SEO a medio-largo plazo

Si quieres que tu sitio web atraiga mucho tráfico y sea relevante para los usuarios, trabaja para ello de manera organizada y dedicando todo el tiempo y los recursos que sean necesarios.

Creo que hay que entender el SEO como una cultura dentro la empresa que se implementa mediante estrategias organizadas, más que como un conjunto de trucos y atajos para “ponernos los primeros en Google” como por arte de magia.

El buen SEO es técnica y es también la ejecución correcta de esas técnicas. Por tanto, el SEO es conocimiento y es trabajo constante. Si quieres posicionar dando “pelotazos” o haciendo “magia”, posiblemente no consigas tu objetivo o acabes con tu sitio penalizado.

¿Cómo te perjudica?

Toda estrategia basada en la improvisación, es decir, en la ausencia real de estrategia, tiene muchas posibilidades de no conseguir los resultados deseados. Si no trazas un plan SEO que trabaje de manera organizada los aspectos más importantes del posicionamiento, lo vas a tener difícil frente a otros que ya lo están haciendo. Estudia y planifica factores como la elaboración de un plan de contenidos, la optimización constante del CTR en nuestras SERPs, estrategias para conseguir enlaces a lo largo del tiempo, etc.

Si no planificas pierdes el control del proceso. Si no trazas planes a futuro, no estás viendo más allá del día a día y no te anticipas a lo que pueda suceder. Por ejemplo, si no haces keyword research periódica, puede que llegues tarde a algunas palabras clave que tu competencia ya está posicionando.

¿Cómo saber si tienes un plan SEO adecuado?

¿Estás calendarizando la creación de contenidos en el tiempo? ¿Haces keyword research periódicamente para detectar nuevas intenciones de búsqueda? ¿Te has marcado una cantidad aproximada de enlaces a conseguir cada mes y has planificado estrategias para conseguirlos? ¿Has elaborado un documento detallado donde constan todas las acciones que afectan al SEO y las has organizado a lo largo del tiempo según orden de importancia? ¿Has destinado a cada una de ellas el tiempo y los recursos económicos y técnicos necesarios para llevarlas a cabo?

Si la respuesta a la mayoría de estas preguntas es no, posiblemente estés trabajando con demasiada improvisación y quizá no hayas conseguido aún los resultados que esperabas.

¿Cómo solucionarlo?

Analiza tu sector. Analiza a tu competencia. Analiza a tu target. Analiza tu propia estrategia con un sentido crítico. Analiza quién eres y cuáles son tus objetivos de manera realista. ¿Qué quieres conseguir? ¿Puedes conseguirlo? ¿Tienes tiempo y dinero para ello? ¿Hace falta destinar más recursos internos y cambiar hábitos dentro de la empresa?

Una vez tengas claro en qué contexto estás, haz un plan SEO a fondo dedicándole todo el tiempo y los recursos que sean necesarios. Para ello existen plantillas y metodologías elaboradas por profesionales SEO que pueden serte de gran utilidad.

Y, sobre todo, dale al SEO la importancia que merece dentro del resto de acciones en tu estrategia global de marketing digital.


Dale al SEO la importancia que merece dentro del resto de acciones en tu estrategia global
Click To Tweet


¿Tienes alguno de estos errores en tu web? ¿Has detectado algún otro?

Hacer un buen SEO requiere trabajo, conocimiento y experimentação constante. Si trabajas el SEO en tu web o te dedicas a ello profesionalmente, es posible que conozcas muchos de los aspectos que hemos comentado en el post, o incluso que quieras comentarnos otros errores o cuestiones relacionadas.

No hay un único punto de vista en el SEO. Lo importante es partilhar y poner en común nuestras propias experiencias para así entre todos llegar a conclusiones lo más correctas posibles. En ocasiones, hay aspectos que pueden estar sujetos a debate, pues cada caso es diferente y las circunstancias de cada proyecto varían de uno a otro.

Con este post he querido contarte algunos de los errores SEO más comunes que he cometido alguna vez o que he visto en proyectos de clientes. La idea no es dictar sentencia de manera absoluta sobre las cosas, sino contribuir mi punto de vista y dar pie a un debate que nos sirva para aprender más entre todos.

Deja un comentario con tu opinión o contándome tu caso y estaré encantado de responderte y ayudarte 🙂

Posts relacionados

“El SEO son las madres”: 8 lecciones de posicionamiento SEO, por MJ Cachón

"El SEO no existe, el SEO son los padres. O mejor dicho, las madres." De esta forma comenzaba MJ Cachón su ponencia

2018-04-26

arantxa

18

10 acciones para optimizar el CTR y mejorar el posicionamiento SEO

En la primera edición del PRO Marketing DAY, organizado por A

2018-04-05

arantxa

18

3 Acciones SEO muy actuales para tu estrategia de posicionamiento, por Luis Villanueva

"SEO es experimentar, ver lo que funciona, aplicar, analizar", así comenzó Luis M Villanueva su ponencia en la

2018-03-26

milena

18

23 temas delicados del Posicionamiento SEO y Google en 2018

Menuda entrevista ha hecho Alicia Senvilla a Luis Villanueva en nuestro proyecto de Marketin.tv. Han tocado 23 puntos

2017-09-07

rafa

18

Mitos y errores del posicionamiento SEO según 18 expertos

Te traigo una recopilación de mitos y errores en la que han colaborado 18 especialistas SEO. Nos rompen falsos m

2016-10-24

ernesto

18

21 puntos del posicionamiento SEO explicados por Aleyda Solís

En este post te ofrecemos 21 pasos súper importantes para hacer SEO. Es una recopilación con algunos de los puntos que d

2016-10-19

alvaro

18

Guía ASO: posicionamiento de aplicaciones móviles y Apps

Juan González Villa es un especialista en SEO centrado en el usuario. Hoy comparte con nosotros 12 tr

2016-04-13

seostratega

18

Branding para Empresas: Guía para crear una Marca Perfecta + Ejemplos

El branding hoy en día es imprescindible para que una marca pueda competir y sobrevivir a los continuos cambios que

2018-11-13

agus-romero

8

Cómo usar hashtags en tu estrategia de Social Media y los más TOP para el 2019

El uso de los hashtags en Marketing Digital es algo más que conocido por todos pero, ¿sabes cómo sacarles el máximo par

2018-11-02

arantxa

8

La entrada 25 errores de posicionamiento en buscadores que destrozan tu SEO aparece primero en Aula CM.

Textos que podem interessar:

Poker Freeroll ou Como ganhar dinheiro sem apostar em suas economias

Ganhar dinheiro a partir de casa pela Internet se você deseja deixar o seu trabalho um dia

Meus 5 Melhores Da Equipe De Ferramentas De Gerenciamento Remoto (Equipe De Marketing)

Brigadeiro Gourmet

 Quais são os melhores produtos para o mercado on-line?

BulkSuggest – Google sugere ferramenta de palavra-chave

O 2017 de Lifestyle to the Square: este tem sido nosso ano

Guia Completo de Cursos de Incêndio e Segurança na Índia

Vivir al Máximo

Como investir no mercado de ações sem se sentir desconfortável ou vivendo preocupado – Antonio Rico (ep 5)


Quando você investe, você tem que investir apenas naquilo que tem pelo menos uma certa base científica, que não é uma esperança.

Uma das dicas que costumo dar às pessoas é que, quando lêem um livro sobre finanças, quando terminam cada capítulo, escrevem em uma folha o que achavam irrefutável daquele capítulo. Se não for irrefutável, não o aponte. Porque se você encher sua estratégia de investimento com idéias verdadeiras e irrefutáveis, você se sentirá em todos os momentos muito mais seguro do seu método.

– Antonio Rico

Antonio Rico (@AntonioRRicoé o autor de "The Intelligent Investor", um dos mais conhecidos e respeitados blogs da bolsa de valores da Espanha, e desde março de 2018 o gerente da Baelo Patrimonio, um fundo de investimento que em apenas 8 meses de vida um capital que excede 7 milhões de euros.

Antonio passou mais de 15 anos investindo nos mercados de ações e quase 10 anos compartilhando suas idéias, pensamentos e aprendizado em seu blog, e é responsável por milhares de pessoas terem aprimorado sua educação financeira e ter começado a investir seguindo uma estratégia que Isso faz você se sentir bem.

Em nossa conversa, Antonio e eu revisamos sua evolução como investidor, desde a compra de suas primeiras ações até o nascimento da Baelo Patrimonio, e conversamos sobre coisas tão interessantes quanto …

  • A diferença entre investir e especular
  • Como Antonio viveu a crise do mercado de ações de 2008 e o que ele aprendeu com isso
  • As verdades irrefutáveis ​​que definiram a filosofia de investimento de Antonio
  • Como criar um portfólio ajustado à sua personalidade e objetivos
  • Quando retirar o dinheiro que você investiu e como fazê-lo corretamente

Eu acho que este episódio vai te amar se você já é um investidor ou se você está querendo começar a investir por algum tempo. E se você não tem idéia sobre o mercado de ações não se preocupe, Antonio explica tudo de uma forma muito simples e nos ouvindo você vai aprender tudo o básico

Ouça no iTunes | iVoox | Spotify

Links do episódio

Onde encontrar Antonio:

  • Inversor inteligente
  • Twitter
  • Baelo Patrimonio

Mencionado no episódio:

  • Entrevista em Mais Dividendos [5:33]
  • Telefone [17:42]
  • Braço [18:45]
  • Microsoft [18:57]
  • Windows [18:58]
  • Intel [19:03]
  • O portfólio permanente [26:18]
  • Investidores em Crescimento de Dividendos [35:18]
  • General Electric [36:15]
  • Grupo de cidades [36:17]
  • Telecinco [36:18]
  • Carteira Baelo [40:56]
  • Coca Cola [41:19]
  • Colgate [41:20]
  • Gestão passiva [42:32]
  • Fundo indexado [42:50]
  • Nokia [50:34]
  • Pontuação de crédito [51:27]
  • ETF [53:15]
  • Vanguarda [53:15]
  • Renda fixa [53:21]
  • Renda variavel [53:22]
  • Procter & Gamble [53:52]
  • Danone [53:54]
  • 52 livros por 52 semanas [59:51]
  • Investimento em valor [1:03:49]
  • Fórum permanente de portfólio [1:10:16]
  • Harry Browne Radio Show [1:13:35]
  • Rankia [1:15:58]
  • Aviva [1:16:18]
  • Magalhães [1:16:22]
  • Aristocratas divididos [1:38:41]
  • Johnson & Johnson [1:40:52]
  • Inditex [1:40:59]
  • Red Eléctrica de España [1:41:01]
  • Real [1:41:08]
  • Amazon [2:30:05]
  • Google [2:30:05]
  • Netflix [2:30:05]
  • Tesla [2:30:05]
  • Esfera Capital [2:43:10]
  • Como abrir uma conta no Sphere Capital [2:43:10]
  • ING [2:43:18]
  • BNP [2:43:46]
  • Como eu fiz minhas economias crescerem 10,8% ao ano desde 2012, com menos de uma hora de trabalho por ano [2:43:54]

Livros mencionados:

  • Pai Rico, Pai Pobre [22:05]
  • Eu ensinarei você a ser rico [25:25]
  • Análise de Segurança [1:01:12]
  • O investidor inteligente [1:01:13]
  • O Guia dos Bogleheads para Investir [1:01:15]
  • O portfólio permanente [1:01:18]
  • A semana de trabalho de 4 horas [1:04:58]
  • O cisne negro [1:05:22]
  • Antifragile [1:05:23]
  • Os quatro pilares do investimento [1:10:22]
  • Investimento à prova de falhas [1:12:56]
  • Como eu encontrei a liberdade em um mundo sem liberdade [1:14:12]
  • Pele no jogo [2:02:19]

Pessoas mencionadas:

  • Robert Kiyosaki [22:05]
  • Ramit Sethi [25: 26]
  • Harry Browne [26:12]
  • Warren Buffett [33:08]
  • John Bogle [42:45]
  • William J. Bernstein [1:03:28]
  • Benjamin Graham [1:04:16]
  • Nassim Taleb [1:05:16]
  • Borja Vilaseca [1:06:08]
  • Craig Rowland [1:09:25]
  • José María Díaz Vallejo [1:16:08]

Índice rápido

0:52 – apresentação dos hóspedes

2:40 – Início da entrevista

3:29 – Por que ele decidiu ser um piloto de avião?

5: 30h – Em um de seus voos, um motor pegou fogo enquanto voava. Como ele reagiu e como eles os preparam na escola de pilotos para casos como esses

8:41 – Eu sempre pensei em ser professora. Como foi decidido entre professor e piloto

12:05 – O que você acha agora, 20 anos depois, da decisão de ser piloto e não professor?

14:10 – Qual foi seu primeiro contato com o mundo do investimento?

17:23 – Qual foi seu primeiro contato com o mundo do investimento no mercado de ações?

20:00 – Por que ele decidiu comprar ações da Telefónica?

20:38 – A que horas começou a levar o investimento a sério e não como um passatempo

23:28 – Por que ele optou pelo mercado de ações em vez de investimento imobiliário?

24:54 – Qual é a diferença entre especular e investir

28:39 – Qual era a atmosfera que existia na comunidade de investimentos nos meses que antecederam o colapso dos mercados em 2008?

33:04 – Você concorda com a frase "quando você vê até mesmo o filho do seu vizinho se gabar sobre o quanto ele está ganhando com suas especulações e até mesmo o taxista recomenda em que você deve investir, é quando as coisas estão prontas explodir e você deve ter cuidado "?

34:15 – Como ele sentiu o colapso do mercado de ações, tanto psicológico e desempenho de sua carteira

37:32 – O que a experiência da queda dos mercados lhe ensinou

41:48 – Quais estratégias você descobriu e integrou em sua filosofia de investimento quando começou a pesquisar?

45:02 – O que é gerenciamento passivo?

52:10 – O que você fez depois de ter pesquisado e aprendido novos conceitos e maneiras de investir?

54:42 – O que são ETFs?

56:31 – Por que você decide começar o seu blog e o que você pretende alcançar com ele?

59:31 – O ponto de virada de seu blog foi um desafio que foi chamado de "52 livros por 52 semanas". Qual foi o desafio e por que você decidiu iniciá-lo?

1:02:36 – De tudo o que você aprendeu com o desafio, quais foram as ideias que mais te impressionaram e que ainda estão presentes hoje

1:06:46 – Que tipo de personalidade o eneagrama é

1:07:43 – Quais são os três livros que você recomendaria para alguém que está começando no mundo das finanças pessoais e investimentos

1:14:39 – Por que você decidiu fazer um Mestrado Oficial em Bolsas de Valores e como foi a experiência

1:17:51 – Como ele reagiu quando sua filha de quatro anos foi diagnosticada com leucemia e como ele foi

1:21:36 – Que mudanças você fez no seu portfólio após a doença de sua filha e por que decidiu fazê-lo?

1:23:11 – Diferenças entre a Carteira Bogle e a Carteira Permanente

1:25:07 – Como foi a doença de sua filha em um nível pessoal?

1:27:07 – Conselhos para pessoas que passam por uma situação semelhante à que Antonio passou com sua filha

1:27:56 – Como você começou a administrar um fundo de investimento? Qual foi sua aceitação por parte de seus leitores?

1:32:50 – Eu queria criar um fundo que fosse para todos, com um retorno objetivo de 4% mais inflação média, gestão passiva, diversificação, baixas comissões e pouca volatilidade. Qual foi a estratégia de investimento que você projetou para atingir esses objetivos?

1:37:51 – A parte patrimonial do seu fundo, em que tipo de empresas você investe

1:42:20 – Por que ele deixou de fundos indexados em seu fundo

1:47:01 – Um fundo indexado ao Dividend Aristocrats é melhor que um indexado ao SP500?

1:50:54 – Por que ele decidiu chamar seu fundo Baelo Patrimonio

1:53:27 – Como é a gestão e a recepção da Baelo Patrimonio, como estão os números e até que ponto os objetivos estão sendo alcançados

1:58:11 – Baelo tem uma comissão de 0,69%. Não é alto e vai contra a tentativa de reduzir as comissões o máximo possível?

2:02:05 – Antonio investe seu dinheiro no fundo Baelo Patrimonio?

2:04:31 – Onde encontrar mais informações sobre a Baelo Patrimonio e como investir

2:07:50 – Você recomendaria a todos que investissem no mercado de ações ou você considera que, antes de investir, você precisa atender a certos requisitos?

2:11:29 – Antes de investir, deveria ter uma quantia de dinheiro economizada?

2:13:22 – O investimento sempre envolve o risco de perder dinheiro?

2:15:14 – Se você quiser conseguir seu dinheiro sempre que quiser porque não sabe quando vai precisar, o que deve fazer?

2:17:10 – É realmente importante treinar antes de investir? Quando você está pronto para começar?

2:21:26 – Qual estratégia de investimento você deve usar se estiver começando

2:24:33 – Como configurar seu portfólio para ter o risco e desempenho que você está procurando

2:29:51 – Um retorno de 5 ou 10%, não é muito pouco? É melhor tentar prever quais empresas crescerão muito?

2:33:41 – Pessoas que tentam superar o mercado, entendem?

2:38:31 – É melhor investir agora que os mercados estão tão altos ou esperar que eles caiam?

2:42:52 – O corretor recomenda investir na Espanha

2:44:11 – Quando você pode ou deve tirar o dinheiro que investiu?

2:45:58 – Recomendações para lidar com sucesso com períodos de quedas

2:50:17 – Quanto capital deve ser acumulado para poder viver em seus investimentos

2:55:55 – Quando você acumulou capital suficiente para ter liberdade financeira e viver de seus investimentos, como funciona para fins práticos

2:58:20 – Planos futuros com a Baelo Patrimonio

3:01:50 – Planos futuros para o blog "O Investidor Inteligente"

3:04:54 – Qual é a coisa mais importante para Antonio na vida

3:07:41 – Onde encontrar Antonio e o que fazer se você quiser investir em Baelo Patrimonio

3:08:47 – Adeus

O post Como investir no mercado de ações sem se sentir desconfortável ou vivendo preocupado – Antonio Rico (ep 5) apareceu pela primeira vez em Living to the Maximum.

Publicações Relacionados:

Operar a negociação com Cfds: um trabalho em casa muito rentável

Maquiagem, Importada ou Nacional?

Aqui está a minha lista de estresse matar, melhores serviços de viagens

Modelo ruim: como não sabotar seu alcance

Influencer Marketing: compreensão profunda e seu básico

Google abriu o jogo do Google – uma loja para tudo

Publicidade – princípios básicos do trabalho autônomo bem-sucedido

Porque a Dieta Detox tem feito tanto sucesso?

Por que suportar a rejeição é a chave para alcançar qualquer coisa – Miguel Hernández (ep 2)


Eu acho que, em geral, a maioria das pessoas assume poucos riscos e é lógico porque tudo o que não sabemos, que está fora da nossa zona de conforto, vai nos assustar. Mas tudo o que é interessante nesta vida acontece fora da zona de conforto.

É claro que, se você quer ter uma vida super chata, fica nesse pequeno círculo, mas o que lhe asseguro é que as coisas mais interessantes estão sempre do outro lado da zona de conforto. Sempre

– Miguel Hernández

Miguel Hernández (@grumomigs) é o CEO da Grumo Media, uma empresa que cria vídeos explicativos divertidos e eficazes para startups e grandes empresas, e conta com clientes como o Walmart, Microsoft ou o ator Asthon Kutcher.

Além disso, Miguel é um veterano da plataforma de cursos on-line Udemy, onde publicou 8 cursos que já somam mais de 27.000 alunos no total.

Miguel segue seu próprio caminho desde que encontrou seu primeiro emprego e, como não gostava do que estava fazendo, elaborou um plano para criar sua própria posição dentro da empresa. Depois disso, ele continuou a fazer as coisas do seu jeito, o que o levou a viver todos os tipos de aventuras, desde saber dentro de uma filmagem de Hollywood, até arruinar a tentativa de criar sua própria aplicação web ou obter o co-fundador. de Reddit compartilhou um de seus vídeos.

Na nossa conversa, Miguel e eu cobrimos tudo isso e muito mais. Fazemos uma revisão completa de toda a sua carreira, desde que ele deixou sua Bilbao natal até que criou a Grumo Media, e conversamos sobre tópicos interessantes como …

  • Por que aprender a gerenciar a rejeição é a chave para o sucesso
  • Como aprender qualquer habilidade do zero
  • Qual é a chave para descobrir o que fazer com sua vida
  • Ou que estratégia Miguel seguiu para encontrar sua esposa em apenas 2 meses

Eu noto que o episódio de hoje é longo, quase 3 horas, e que às vezes nós rolamos um pouco, mas vale a pena ouvir porque é cheio de sabedoria e porque a história de Miguel é fascinante.

Ouça no iTunes | iVoox | Spotify

Se você gostou desse episódio, não se esqueça de se inscrever em "Uma vida para suas necessidades" e nos deixe um comentário na plataforma ou aplicativo que você usa para ouvir os podcasts 🙂

Links do episódio

Onde encontrar Miguel:

  • Grumo.com
  • Grumomedia.com
  • Mench.com

Mencionado no episódio:

  • Hipmunk
  • Chocolat
  • Arquivo X
  • Cursos de Miguel na Udemy

Livros mencionados:

  • A semana de trabalho de 4 horas – Tim Ferriss
  • Homem em busca de significado – Viktor Frankl
  • Tropeçar em felicidade – Daniel Gilbert
  • Inteligência emocional – Daniel Goleman
  • Inteligência Social – Daniel Goleman

Pessoas mencionadas:

  • Alexis Ohanian
  • Ashton Kutcher

Índice rápido

1:37 – apresentação dos hóspedes

2:41 – Início da entrevista

5:52 – Como ele acabou morando em Vancouver

8:15 – Por que ele estudou engenharia mecânica

10:41 – Por que trabalhar como vendedor de porta em porta foi uma das melhores coisas que ele fez em sua vida

15:38 – Como eu desenvolvo a capacidade de resistir à rejeição e como sua percepção de rejeição evoluiu

22:57 – Como ele suportou um trabalho que não gostava de nada inventando seu próprio trabalho

30:52 – Como ele aprendeu habilidades complicadas por conta própria e de 0

34:52 – Qual é o método correto para criar seu próprio trabalho dentro de sua empresa?

40:20 – Por que ele decidiu se dedicar ao mundo audiovisual

43:41 – Como você entrou em uma filmagem de Hollywood?

49:08 – Como você decidiu parar a animação e começar com algo totalmente novo

51:10 – Como ele começou a trabalhar em Hollywood sem treinamento

1:00:51 – Por que seu primeiro projeto como empreendedor falhou?

1:03:57 – Como você foi arruinado para criar sua empresa atual: Grumo Media

1:10:32 – O que você fez para expandir sua empresa da maneira mais eficiente possível?

1:16:55 – Como identificar os riscos que valem a pena

1:21:16 – Nós tomamos poucos riscos em nossas vidas?

1:25:59 – Como você conseguiu passar de não ter clientes para ter muitos clientes importantes?

1:28:40 – Qual tem sido sua estratégia de crescimento: funcionários autônomos ou permanentes?

1:30:57 – O que é sistematizar e por que é importante em uma empresa

1:35:41 – Como sistematizar tarefas criativas

1:39:21 – Por que você limitou o crescimento da Grumo Media e como você decidiu até onde queria ir?

1:45:27 – Como ele conseguiu Ashton Kutcher twittar um de seus vídeos?

1:47:43 – Para ter sucesso, que papel desempenha a sorte e que papel desempenha o trabalho duro e ser muito bom no que faz

1:51:51 – Por que você cria cursos na Udemy e o que isso ensina?

1:57:43 – A estratégia que se seguiu para conhecer sua mulher on-line

2:01:51 – Como você identificou e fez amizade com as "pessoas certas"

2:06:26 – De onde veio sua motivação para fazer tudo o que ele fez?

2:11:33 – O que você está trabalhando agora?

2:14:49 – Conselhos para pessoas que não sabem o que fazer com sua vida

2:26:11 – Que conclusões alcançaram o que é importante para ele e o que o faz feliz?

2:27:49 – Quais foram os 3 livros mais impactantes em sua vida?

2:32:01 – O que você mudou de idéia nos últimos anos?

2:33:35 – Se eu pudesse voltar, que conselho daria ao Miguel de 18 anos?

2:37:39 – Onde encontrar Miguel

O post Por que suportar a rejeição é a chave para conseguir qualquer coisa – Miguel Hernández (ep 2) apareceu primeiro em Vivir al Máximo.

Artigos imperdíveis:

https://holidayservice-tn.com/poker-freeroll-ou-como-ganhar-dinheiro-sem-apostar-em-suas-economias/

Webempresa hospedagem 100% em português WordPress especialistas

https://clipstudio.com.br/30-licoes-de-vida-que-aprendi-em-30-anos/

https://proverasfestas.com.br/novo-codigo-de-pratica-para-as-empresas-de-estacionamento-a-serem-introduzidas-mas-alguns-poderao-desvia-lo/

https://coniferinc.com/campanhas-de-marketing-de-afiliados-como-comecar-um/

https://weeventos.com.br/affiliatetheme-io-tabela-de-produtos-por-tipo-de-resultado-de-teste/

https://testmygeekstuff.com/liquidez-nocoes-basicas-de-auto-emprego-bem-sucedido/

ITI – Um Guia Completo de Admissão, Exame, Resultados, Emprego e Mais

Você é um web designer? Design Crowd é perfeito para você


Você está começando a trabalhar como designer freelancer e você está procurando um novo projeto? Em Design Crowd existem várias categorias de trabalho e você pode ser um dos designers responsáveis ​​por dar vida a esses projetos.

Se você é um designer (web, gráfico, industrial, etc) e quer trabalhar no Design Crowd, você pode se cadastrar e começar a trabalhar nesta plataforma, que é sem dúvida um dos melhores se você está começando e quer ter experiência.

Como funciona o Design Crowd?

Registrar-se na plataforma é bem simples, você simplesmente terá que ir Cadastre-se e escolha a opção . As caixas que você terá que preencher serão: seu nome, seu e-mail e sua senha, Você também pode optar por se registrar com sua conta do Facebook. Finalmente, você será solicitado para detalhes como conta PayPal ou Payoneer.

designcrowd-design-record-minha-vida-freelance

Na próxima tela você deve escolha quais tipos de designs você quer fazer. Ou seja: logotipos, cartões de visita, sites, ícones, artigos de papelaria, folhetos, t-shirts, encomendas, banners e anúncios, ilustrações, folhetos e cartazes ou design WordPress.

design de tipo-design-multidão-minha-vida-freelance

O próximo passo é completar seu perfil para que a plataforma possa recomendar trabalhos de sua área de design específica. Lembra que Quanto mais dados profissionais você adicionar ao seu perfil, mais fácil será para o cliente saber quem você é e, se você gosta do seu trabalho, escolha a si mesmo como designer 🙂

Olhe para a imagem abaixo, quando você começar a adicionar detalhes sobre você e seu trabalho, a barra Força do perfil começará a encher; tente completá-lo 100%.

design de perfil completo-crowd-my-life-freelance

Uma particularidade do Design Crowd é que Você deve enviar um design que atenda aos padrões de qualidade da plataforma, então tente se destacar com os trabalhos que você manda para que eles sejam aceitos e você possa competir lá.

Os padrões de qualidade exigidos pela Design Crowd são:

  • Envie apenas trabalhos originais: Todos os desenhos que você enviou devem ter sido criado por você. Se descobrirem que você está enviando designs que não são seus, eles podem desativar sua conta permanentemente.
  • Envie seus trabalhos nos formatos permitidos: os logotipos e desenhos devem ser enviados em Formatos EPS e AI, enquanto projetos para web e WordPress devem ser enviados em Formato PSD. Também é válido enviar arquivos em Formato PDF.
  • Envie vetores de alta qualidade: Todos os elementos de seus projetos devem ser vetorizados e devem ser editável e escalável.
  • Envie previews de boa qualidade: as prévias devem ser de 1200 px x 1000 px (300dpi) e no formato .jpg.

Depois de ter concluído o seu perfil e passado o processo de revisão Design Crowd, você estará pronto para se candidatar para as ofertas de emprego freelance publicadas na plataforma.

pesquisa-trabalho-design-crowd-my-life-freelance

Como você pode ver na imagem acima, você pode filtrar ofertas de emprego freelance por tipos de design, idioma, orçamento, popularidade, data, qualidade, entre outros.

Você deve ter em mente que existem vários tipos de trabalhos que podem ser executados na plataforma: Concurso (Contest), Serviço de designer (Um serviço de designer) Trabalho Freelance (Emprego Freelance).

Dependendo do tipo de trabalho, isso pode ou não ser garantido, isto é, para alguns trabalhos, o cliente garante que ele escolherá um vencedor enquanto para outros não. Da mesma forma, também dependerá do tipo de trabalho se o pagamento for feito antes ou depois da seleção de um vencedor.

Vantagens e desvantagens

A principal vantagem é que concentra-se apenas no trabalho para designers, que então torna uma plataforma de trabalho freelance especializada. No entanto, isso também pode ser uma desvantagem, pois limita as ofertas de emprego a apenas um ramo profissional.

Você pode ganhar muita experiência, especialmente se você é um designer novato ou você está mal fazendo o seu caminho no mundo freelance. Caso seu design seja aceito, você ganhará dinheiro; e no caso em que você não, você vai ganhar um design para o seu portfólio online 🙂

Formas de pagamento

Esta plataforma permite que você escolha quando você se registrar como você quer ser pago, então você tem que escolher entre Payoneer e PayPal. Ambas são bolsas muito seguras, nas quais milhões de pessoas confiam seu dinheiro. Depois de terminar o seu projeto, você será pago para a conta que você digitou.

Você é um designer e não sabe por onde começar? Comece pela Design Crowd e me diga como você está 😛

Eu recomendo solicite seu cartão pré-pago Payoneer de Mastercard para que você possa começar a desfrutar de todos os benefícios que tem para você 😀

Artigo publicado em 6 de janeiro de 2016 e atualizado em 25 de outubro de 2018.

A entrada Você é um web designer? Design Crowd é perfeito para você foi publicado pela primeira vez em My Freelance Life.

Publicações interessantes:

https://holidayservice-tn.com/vender-e-comercializar-na-net-nao-esta-sem-mas-vai-com-estilo/

Como criar uma conta do Google Adsense e publicar anúncios em seu blog

https://clipstudio.com.br/conquistar-o-medo-de-perder-dinheiro/

https://proverasfestas.com.br/free-blog-content-resources-the-ultimate-list/

https://coniferinc.com/marketing-de-afiliados-101-o-que-voce-precisa-saber/

https://weeventos.com.br/papeis-de-parede-entrevista-com-oliver-pfeil/

https://testmygeekstuff.com/contabilidade-zen-como-gerenciar-o-onus-administrativo-de-um-negocio-on-line-baseado-em-infoproductos/

20 idéias bem sucedidas de negócios em casa na Índia